ll

quarta-feira, maio 31, 2006

Marin Marais































































name="MediaPlayer1"
pluginspage="http://www.microsoft.com/Windows/MediaPlayer/"
src="http://www.usach.cl/Mp3/Concierto2002/MaraisSonerie.mp3"
autostart="false"
width="200"
height="40"
filename="MaraisSonerie.mp3"
animationatstart="-1">

Marin Marais (1656 - 1728)
Sonnerie de Ste. Genevieve du Mont de Paris

[ 8:07 ]
Comemoram-se hoje os 350 anos do nascimento de Marin Marais. Notável gambista (tocador de viola de gamba), foi solista da orquestra real e da Academia Real de Música, sendo sem dúvida, juntamente com Forqueray, o maior gambista do seu tempo e o melhor compositor para esta família de instrumentos. Morreu em Paris, em 15 de Agosto de 1728.

O seu talento melódico e a sapiência da sua escrita instrumental fazem dele um dos grandes compositores franceses do século XVII. Escreveu 4 óperas, 5 livros de peças para uma e 2 violas, peças em trio (flauta, violino, viola soprano), entre outras obras.

"Marin Marais o velho senhor, o calmo francês do antigo regime. Época de calmas reflexões, num tempo suspenso e quase perpétuo, mas tão instável que ainda em sua vida a viola de gamba já declinava, François Couperin e Forqueray ainda compuseram para a viola, mas os prenúncios de outros sons já ecoavam no ocaso da vida tranquila de Marais. O que me impressiona na obra de Marais é uma subtileza profunda, uma riqueza de timbres, a exploração de ressonâncias, ao mesmo tempo tão próprias do seu tempo, mas que o transcendem para atingir o infinito."

H.S., in Crítico


Podcast do programa Musica Aeterna, da Antena 2, emitido no passado dia 27 e dedicado ao "Barroco francês: Os 350 anos do nascimento de Marin Marais" (2h:3m:23s):





























































name="MediaPlayer1"
pluginspage="http://www.microsoft.com/Windows/MediaPlayer/"
src="mms://195.245.176.20/rtpfiles/audio/wavrss/at2/157761-0605292210.wma"
autostart="false"
width="200"
height="40"
filename="157761-0605292210.wma"
animationatstart="-1">


url da Sonnerie:
http://www.usach.cl/Mp3/Concierto2002/MaraisSonerie.mp3
url do podcast da Antena 1:
mms://195.245.176.20/rtpfiles/audio/wavrss/at2/157761-0605292210.wma

Azoia


Fotografia do blogue Gauss Gun

Pescas


[ Fotografia de José Arsénio. Clique ]
Celebra-se hoje o Dia do Pescador, que em Sesimbra é assinalado com várias iniciativas, de que se destacam a abertura da Semana do Peixe Espada Preto, uma palestra sobre "Histórias do Mar" e o visionamento dos filmes "Xávega do Meco", de António Proença e "Tarde Demais", de José Nascimento.

Neste mesmo dia ocorre uma greve nacional de todos os pescadores, em defesa da sua actividade, muito afectada pelo aumento dos preços dos combustíveis. Algumas artes de pesca adquirem o gasóleo ao preço "verde", mas ainda assim a um valor mais elevado do que acontece em Espanha e França, onde os governos concederam maiores descontos no preço deste combustivel. Mas em Sesimbra a situação da pequena pesca costeira ainda é pior, pois os seus pequenos motores não beneficiam de qualquer redução no preço da gasolina. [leia a notícia no Diário Digital].

terça-feira, maio 30, 2006

Para ver o mar


[ clique para ampliar ]
Há lá coisa mais bonita na vida de um adolescente do que fugir de casa para ver o mar pela primeira vez, mesmo que afinal lhe tenha parecido mais triste do que na televisão?

Para a sua canção "Pájaros de Portugal", Joaquín Sabina inspirou-se livremente num caso verídico, uma aventura ocorrida em Agosto de 1997, quando dois rapazes de 17 anos e duas raparigas de 14 - Estela e Núria, na foto - fugiram de casa e viajaram pela Espanha, em carros roubados, passando depois a Portugal, até que finalmente viram o mar, em Sesimbra, num dia sem vento e com muito sol:

"Va ser al matí quan vam veure el mar. El cert és que tampoc ens interessava gaire. El vam veure des d’un pujol, a Sesimbra. No feia vent, però el sol petava fort. Ens va semblar molt gran, millor que a la tele."


Pájaros de Portugal

No conocían el mar
y se les antojó más triste
que en la tele, pájaros de Portugal
sin dirección ni alpiste
ni papeles.

Él le dijo vámonos,
dónde le respondió
llorando ella,
lejos del altar mayor,
en el velero pobretón
de una botella.

Despójate del añil
redil del alma de nardo
con camisa.

Devuélveme el mes de abril,
se llamaban Abelardo y Eloisa,
arcángeles bastardos de la prisa.
Video-clip da canção, que também pode ser visto aqui ou aqui. A história está contada em detalhe - e em catalão - no blogue Diari de Cuernavaca

Fotografia subaquática


[ clique para ampliar ]

No seu blogue Filomena Sá Pinto apresenta belíssimas fotografias subaquáticas, tiradas nas águas de Sesimbra. Já lá tinham sido colocadas algumas fotos em Janeiro, mas em Maio surgiram novas fotos - aqui e aqui - ainda mais bonitas.

Agumas destas fotografias proporcionaram a Filomena Sá Pinto o 2º lugar no 1º Fotodigisub, que teve lugar nas águas de Sesimbra em 6 e 7 de Maio passados. As fotografias dos diversos classificados nesta prova podem ser vistas aqui.

Cabo Espichel


[ clique para ampliar ]
A menina que tirou esta fotografia diz que é da Terra Dos Buracos (Quinta do Conde). Mais fotos aqui.
No blogue da mesma jovem encontra-se um poema de Carlos de Oliveira:
Se ao morrer o coração,
Morresse a luz que lhe é querida,
Sem razão seria a vida,
Sem razão.
Trata-se do poema Livre, que, com música de Manuel Freire, foi muito popular como canção de "protesto", antes da Revolução de Abril de 1974. Cantar a liberdade, naquele tempo, significava essencialmente a liberdade política. Suponho que para uma jovem dos nossos dias possa ter um significado muito diferente. E de facto, lendo de novo o poema, vê-se que ele não tem de estar, necessariamente, aprisionado a uma única interpretação: o próprio poema o afirma.

Repare-se naquela frase: "nada apaga a luz que vive num amor (...) porque é livre como o vento." Clandestinamente, esta afirmação tão pouco militante, esteve ali escondida, à vista de todos, oculta pelo significado mais evidente (naquele tempo em que a canção foi criada) do manifesto político relativo à liberdade de pensamento.

segunda-feira, maio 29, 2006

Mata de Sesimbra



Video promocional do projecto para a Mata de Sesimbra (zona Sul). Duração: 5m : 24s.

Nota: se não conseguir visionar, tente clicar no seguinte endereço, ou copie-o para o seu leitor virtual:
http://www.idstudiodigital.com.br/videos/animacao_sesimbra.wmv

domingo, maio 28, 2006


[ clique para ampliar ]
Fotografia do blogue As minhas fotos

Momento


[ clique para ampliar ]
Foto de Michel Waldmann - Sesimbra - 1990

Só o barbeiro
julga que adormeço

saboreio
o tempo

Sigo as bicadas
a desenharem-se no pescoço
a sombra das orelhas

rio com cócegas

vejo

como na infância
a mão pousando a tesoura em forma de A

oiço falar do jogos

E adormeço



António Reis in "Poemas Quotidianos"
António Reis - Vida e obra
(Reproduzido do Blog da Sabedoria)

sábado, maio 27, 2006

Novo blogue pexito


[ clique para ampliar ]

Nasceu mais um blogue pexito, o Caneiro, da autoria de um Pexito de Gema que tem saudades do tempo "em que Sesimbra era Sesimbra".

Curiosamente, a fotografia que o Caneiro inclui no seu blogue e que reproduzimos acima, foi uma das primeiras fotografias antigas de Sesimbra que eu digitalizei e coloquei na Internet, e que depois a Gina Coelho - outra pexita de gema - colocou na primeira página que existiu na Internet sobre Sesimbra, criada por ela em 1997 - há quase 10 anos! Essa página pode ser consultada aqui. Quem estiver interessado em fazer a história de "Sesimbra na Internet", pode ir tomando notas.

Felicidades para o novo blogue!

sexta-feira, maio 26, 2006

Serra da Achada






[ clique para ampliar ]

quinta-feira, maio 25, 2006

Vila Pinto




[ clique para ampliar ]

Mata de Sesimbra

O World Wildlife Fund anda a recolher assinaturas para solicitar às "autoridades portuguesas, locais e nacionais, que aprovem o projecto" da Mata de Sesimbra. A petição, que se encontra em linha aqui, já tinha, esta manhã, 4.180 assinaturas.

No documento, que tem como título: "Apoiemos uma vida sustentável em Portugal", lê-se que "este projecto, apoiado pelo WWF e pela Bioregional, recuperará e conservará 4.600 hectares de floresta degradada, e fechará 11 pedreiras; os edifícios e o empreendimento no seu todo atingirão rigorosos objectivos de zero-desperdício e zero-carbono; os agricultores e empresas locais beneficiarão de um sistema de certificação e o projecto criará 11 mil empregos."

Eu próprio tive a oportunidade, logo na primeira sessão de esclarecimento do período de consulta pública, de colocar algumas dúvidas quanto ao "localismo" do abastecimento de produtos para o empreendimento, que a informação divulgada nessa reunião indicava ser originária, em grande percentagem, de um raio de 50 km. Ora, não só o raio de 50 km cobre Lisboa, como as leis comunitárias sobre a concorrência proibem qualquer limitação deste tipo.

Por outro lado, os objectivos zero-desperdício e zero-carbono não me pareceram assim tão taxativamente identificados na informação então distribuída. O que me pareceu ler é que serão incorporadas no projecto medidas que têm em vista a eficiência energética e a redução de desperdício (como por exemplo o aproveitamento de águas das chuvas e reaproveitamento das águas residuais domésticas), mas sem o objectivo "zero", que me parece muito difícil de obter, por qualquer empreendimento, numa sociedade que ainda não está organizada nesse sentido.

Esta argumentação provoca-me muitas dúvidas, apesar de eu considerar o projecto urbanístico em si como muito positivo, tendo apenas algumas reservas quanto à garantia da execução do efectiva do plano de gestão ambiental da Mata de Sesimbra. O nosso pobre nível de organização colectiva ainda determina que muitas das boas-intenções de processos de urbanização sejam alteradas e parcialmente desvirtuadas, no decurso da respectiva execução. Ora esta possibilidade é tanto mais provável aqui porquanto a Mata de Sesimbra é um processo inovador em muitos aspectos, e onde os imponderáveis serão maiores do que em qualquer outro projecto.

Em todo o caso, não deixo de salientar que se trata de um projecto urbanístico de grande qualidade e que prevê a dinamização de um tipo de turismo que é o mais adequado para aquela zona. O projecto de renaturalização da Mata é também muito importante e deveria estar a ser defendido vigorosamente pelos ambientalistas, se defendessem verdadeiramente o Ambiente. Mas estes, envolvidos numa espiral de sectarismo típica dos processos partidários, não estão dispostos a deixar nenhum trunfo às empresas, que parecem odiar, como se viu nas sessões de esclarecimento. E o ódio, como se sabe, não é bom conselheiro.


[ clique para ampliar ]
Fotografia de Diana F.

quarta-feira, maio 24, 2006

Guilhermina Suggia

Guilhermina Suggia
Humoreske para violoncelo e piano
de Leone Sinigaglia (59 s. - excerto)
     

Guilhermina Augusta Xavier de Medin Suggia (27.Jun.1885 — 30.Jun.1950) foi uma notável violoncelista portuguesa. Iniciou a sua carreira internacional aos dezassete anos, equiparando-se aos melhores intérpretes do seu tempo, nomeadamente Pablo Casals. Viveu no Porto, sua terra natal, mas Londres foi o centro da sua actividade musical.

Blogue de Virgílio Marques e Catarina Campos, dedicado à violoncelista Guilhermina Suggia.

Os Dias Dês

Descobri este texto acidentalmente ao procurar no blogger pela palavra "Sesimbra". Há ali apenas uma referência fugidia à vila, mas o texto merece uma leitura atenta: - "Adeus, pai!..."

terça-feira, maio 23, 2006

Liberté































































name="MediaPlayer1"
pluginspage="http://www.microsoft.com/Windows/MediaPlayer/"
src="http://www.triplov.com/poesia/paul_eluard/liberte.mp3"
autostart="false"
width="250"
height="40"
filename="liberte.mp3"
animationatstart="-1">

Liberté
Paul Eluard - Cristina Branco


url:
http://www.triplov.com/poesia/paul_eluard/liberte.mp3

Pentecostes


[ clique para ampliar ]
Mais abaixo, na entrada Perdidos e achados, foi feita referência à Adoração dos Pastores, pintura escondida por baixo de uma outra. É essa pintura, "destapada" pelo Instituto Português de Conservação e Restauro, que é apresentada acima. O original encontra-se na Capela do Espirito Santo dos Mareantes (CESM).

O autor é desconhecido, existindo várias possibilidades: Gregório Lopes, Garcia Fernandes, ou mesmo André Gonçalves, pintor que "até à data não tem obra identificada, mas segundo investigações recentes (...) passou cerca de 20 anos em terras da península de Setúbal e do Vale do Sado" [hipótese referida pelo professor Fernando António Baptista Pereira].


[ clique para ampliar ]
Fátima Preto

Escalada Desportiva de Falésia


[ clique para ampliar ]
Em Inglês designa-se "Deep Water Soloing", e trata-se de fazer escalada em zonas rochosas junto à costa, de modo a que qualquer queda resulta apenas... num banho.

O blogue Escalada Dubufo anuncia um encontro desta modalidade para os próximos dias 27 e 28 de Maio, em Sesimbra.

segunda-feira, maio 22, 2006

Imigrantes do limo


[ clique para ampliar ]
Fotografei esta família na zona do Cabo Espichel, há muitos anos. Era no tempo em que a apanha de algas constituía um negócio florescente, sendo feita por recurso a vários métodos: mergulho de escafandro (em geral, não autónomo), arrastado da superfície directamente para bordo, ou ainda apanhado à mão nas praias para onde o mar o atirava.

Este último método era o menos produtivo, mas não obrigava a qualquer investimento, nem em barco nem em equipamento de mergulho, pelo que atraía alguma mão-de-obra mais desafortunada, como era o caso desta família de imigrantes do limo, que vivia numa barraca de colmo.

Perdidos e achados

O artigo "Imagens perdidas, imagens achadas", de António João Cruz, apresenta vário exemplos de pinturas reveladas pelos raios X no Instituto José de Figueiredo, que se encontravam ocultadas por outras feitas por cima. Como exemplos são apresentados alguns painéis de Sesimbra:

Adoração dos Magos, pintura sobre madeira de finais do século XVI (Museu Arqueológico Municipal, Sesimbra)Radiografia do mesmo quadro, que mostra uma pintura subjacente tendo como temática a Nossa Senhora do Rosário

Adoração dos Pastores, pintura sobre madeira de finais do século XVI (Museu Arqueológico Municipal, Sesimbra)Radiografia do mesmo quadro, em que é visível uma pintura subjacente representando o Pentecostes

sexta-feira, maio 19, 2006

Roselha


[ clique para ampliar ]
Cistus crispus
Serra da Achada - Sesimbra

coordenadas: 38 26 33 N    9 05 21 W

João de Sousa Carvalho































































name="MediaPlayer1"
pluginspage="http://www.microsoft.com/Windows/MediaPlayer/"
src="http://www.branarecords.com/music/Carvalho_ToccatainGMinor_Allegro.m3u"
autostart="false"
width="240"
height="40"
filename="Carvalho_ToccatainGMinor_Allegro.m3u"
animationatstart="-1">

Tocata em Sol menor - Allegro (4m:44s)

João de Sousa Carvalho nasceu em Estremoz no dia 22 de Fevereiro de 1745. Começou os estudos musicais aos oito anos, em Vila Viçosa, que continuou, aos quinze anos, em Itália. Em Portugal foi professor de contraponto e mestre de capela no Seminário da Patriarcal, em Lisboa. Em 1778 foi nomeado professor de Música da Corte. Da sua vasta produção destacam-se as óperas l'Amore Industrioso (1769), Testoride Argonauta (1780), bem como as serenatas Perseo (1779) e Penelope nella partenza da Sparta (1782).

A Tocata em Sol menor é uma peça muito conhecida e frequentemente tocada, mas existem dúvidas sobre a sua atribuição a Sousa Carvalho, como se pode ver nesta crónica de Cristina Fernandes publicada no blogue Crítico. Composta originalmente para cravo, surge aqui tocada em piano por Felicja Blumental (gravação da Brana Records).
url:
http://www.branarecords.com/music/Carvalho_ToccatainGMinor_Allegro.m3u

O blogue da Sara

Embora ainda só com dez anos, a Sara, que mora no concelho de Sesimbra, iniciou o seu blogue "Amiguinhos", onde explica, de forma sucinta, quem é e porque criou este blogue - ao qual desejamos as maiores felicidades.

quarta-feira, maio 17, 2006

Cleonia


[ clique para ampliar ]
Cleonia lusitanica
Serra da Achada - Sesimbra

coordenadas: 38 26 33 N    9 05 21 W

Creoula

fotografia de JCP no blogue 'Couleur Alentejo'
[fotografia do blogue 'Couleur Alentejo' ]
[ clique para ampliar ]
O blogue Couleur Alentejo fez uma bela viagem no navio Creoula - um antigo lugre bacalhoeiro, de 4 mastros, actualmente ao serviço da Marinha Portuguesa - entre Setúbal e Sesimbra, com algumas manobras pelo meio. Da viagem fez um relato com o título "Elogio a Marinha Portuguesa".

A viagem parece ter-se integrado nas manobras navais que têm feito evoluir diversos navios da Marinha na nossa costa. É curioso verificar - na foto reproduzida acima - que ainda existem alguns "doris" a bordo daquele navio.

terça-feira, maio 16, 2006

Retrato de uma Vila Piscatória

De 17 de Maio a 24 de Junho decorrerá na Sociedade Nacional de Belas Artes uma exposição da fotógrafa canadiana Denyse Gérin-Lajoie, com o tema: "Sesimbra: Retrato de uma Vila Piscatória".

Os sesimbrenses já tiveram oportunidade de ver estas obras, pois creio que foi no âmbito da inauguração da Biblioteca Municipal de Sesimbra que esteve também em exposição uma "caixa" com fotografias a preto e branco de Denyse Gérin-Lajoie sobre a vila e a pesca, as quais, provavelmente, serão as mesmas desta exposição que agora se anuncia. Trata-se, de facto, de fotografias de grande qualidade.

O blogue Conversa... muita conversa, inclui um texto de Denyse Gérin-Lajoie sobre este projecto:
«Quando, há quinze anos, decidi partilhar a minha vida entre Montreal e Lisboa interessei-me fotograficamente por diferentes aspectos da vida portuguesa e em especial pela questão da pesca, questão que sempre me pareceu primordial na vida e na cultura dos portugueses. Uma região me apaixonou: Sesimbra. Ávida desta vila, onde jovens e adultos se dedicavam à pesca artesanal e onde os preparativos para as idas ao mar se desenrolavam nas próprias ruas, fasci­nou-me de maneira indescritível. [...] Dizem que Sesimbra foi em tempos um abrigo para piratas. Mas também foi de lá que parti­ram muitos dos barcos que levaram os portugueses até mares inóspitos e desconhecidos, assim como serviu de fortaleza estratégica, primordial nas lutas contra os inimigos, vindos por terra e por mar. Mas agora, na minha frente, ali estavam os homens que, desde tempos imemoráveis, arriscam a vida no mar e as mulheres que, desde sempre, ficam em terra à espera, abafando a angústia, esperando um regresso são e salvo, ambos, tanto eles como elas, vivendo simultanea­mente a tradição e a modernidade. [...] As pessoas na rua, o mercado, as lojas, os restaurantes e os cafés, as janelas floridas, por vezes com peixes pendurados a secar ou roupa estendida, ao Sol, nas cordas, formavam um quadro palpitante de vida e de cor. Vinda do Norte, tudo isto me parecia um sonho, inesquecível. Um verdadeiro espectáculo, uma imensa explosão de cores. Intrigava-me também a atmosfera muito especial que se desprendia deste canto do mundo que eu desconhecia e que encontrava pela primeira vez. Disse então para comigo: um dia voltarei para fotografar a vida desta radiosa vila.»

Pierre PerraultAo mesmo tempo decorrerá na Cinemateca Portuguesa um ciclo de dez fimes de Pierre Perrault, grande documentarista da pesca tradicional no Canadá. Serão projectadas as seguintes obras:
  • "Pour la Suite du Monde" - sobre os habitantes de Ille-aux-Coudres e a pesca do esturjão (17.Maio, 21.30h)
  • "Au Pays de Neuve-France" - 4 episódios de uma série televisiva, que passarão a 18 e 19 de Maio, às 19.30h e 22h.
  • "La Régne du Jour" - de novo com os habitantes de Ille-aux-Coudres: uma visita aos antepassados (23 Maio, 21.30h)
  • "Les Voitures d'Eau" - as "viaturas de água" são os barcos de Ille-aux-Coudres: construção e uso (25 Maio, 19.30h)
  • "Le Retour à la Terre" e Le Beau Plaisir"- (25 Maio, 20.00h)
  • "Le Pays de la Terre sans Arbres" - a caça ao caribu no nordeste do Canadá.(26 Maio, 19.30h)
  • "La Bête Lumineuse" - a caça ao alce (26 Maio, 22.00h)

    A Sociedade Nacional de Belas Artes e a Cinemateca Nacional ficam ambas na Rua Barata Salgueiro, em Lisboa (próximo do cimo da Avenida da Liberdade).

  • segunda-feira, maio 15, 2006

    Plantas da Ribeira da Aiana

              

              
    [ clique para ampliar ]

    Paisagens da Ribeira da Aiana

              

              

              
    [ clique para ampliar ]

    Sesimbra


    [ clique para ampliar ]
    Fotografia de Nicole no blogue Alice in Wonderworld.

    Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


    Canoa da Picada