ll

sábado, fevereiro 07, 2009

Sesimbra
A edição de 7 de Fevereiro de 1937 do jornal O Sesimbrense destacava o grande temporal que ocorrera dias antes. A descrição é dramática:

     «O mar, ganha-pão de Sesimbra e também seu mortal inimigo, furioso e desmedido, galgou a muralha da estrada marginal, descortinando-a na extensão de mais de duas centenas de metros, levantou o empedrado e obstruiu-a com pesados blocos, arrancados da muralha.
     Não satisfeito com isso, varreu as embarcações que se encontravam abrigadas com a muralha, destruindo por completo algumas e danificando muitas outras [...] Em fúria sempre crescente, saltou o paredão que há anos serve (?) de molhe de abrigo e afundou nove embarcações de maior tonelagem que Sesimbra possui. Eram elas pertença dos srs. José Joaquim Pascoal, Aquiles Rodrigues, Joaquim Silvestre Farinha, herdeiros de José António Preto, Adrião do Ó Francisco Neto, Alberto Graça, José Martins do Carmo, de Setúbal, perdendo-se também três saveiros de Setúbal. [...]
     No campo os prejuízos foram também elevados. Centenas de árvores o vento arrancou pela raiz; mais de uma dezena de casas térreas foram arrasadas; as culturas perderam-se e os postes telegráficos e telefónicos vergaram e alguns cairam, interrompendo as comunicações com o país.
     Em toda a parte reina a fome e a miséria. Grupos de crianças percorrem as ruas, implorando um pouco de pão. Mas quem lhes pode dar, numa terra em que todos foram atingidos pela catástrofe?» [...]

7 Comentários:

Às 7/2/09 , Anonymous Anónimo disse...

Repararam na qualidade do texto ?

 
Às 7/2/09 , Anonymous Anónimo disse...

Parece que estamos a viver outro ciclone.
Quem sabe como, quando e se acabará...

 
Às 7/2/09 , Anonymous Anónimo disse...

Esperem pela pancada ...

 
Às 8/2/09 , Anonymous Anónimo disse...

Deus queira que não mas se este tempo voltar.
Aqui neste cantinho que nós vivemos só passa fome quem quizer!
terra não nos falta pra cultivar,e temos o mar para pescar.
Só se os senhores do parque marinho não nos deixarem!

 
Às 8/2/09 , Anonymous Anónimo disse...

Os antigos dizem-me que nesse dia o mar chegou ao largo da Camara e que ficou um peixe penso que foi um cherne aprisionado no Restaurante do Toni.
O Pai do Marques de Calhariz, na altura matou a fome a muita gente e deu a madeira para reconstruirem as embarcações afectadas pelo ciclone.

 
Às 9/2/09 , Blogger J.A.Aldeia disse...

Creio que esses acontecimentos se referem ao ciclone de 1941. Nessa altura os Duques de Palmela ajudaram com comida e oferta de madeira da Quinta de Calhariz. Por causa disso foi colocada uma placa de agradecimento, declarando-os "beneméritos" de Sesimbra, no largo que já tinha o seu nome. Após o 25 de Abril, como é sabido, mudaram o nome ao largo.

 
Às 9/2/09 , Anonymous Anónimo disse...

Muita coisa que se mudou a seguir ao 25 de Abril, não teve fundamento, será que não está na altura desse largo voltar a ter o nome original.
Damos nomes a ruas de Sesimbra a pessoas que nada fizeram,e a casa de Palmela que tanto fez em tempos deveria ser reconhecida.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada