ll

quarta-feira, Setembro 10, 2008

fotografia alojada em www.flickr.com
[ clique para ampliar ]
Porto de abrigo de Sesimbra, sendo visíveis algumas traineiras com popa de "leque". Nesta altura não se usavam guinchos, sendo as redes aladas à força de braços; aquela popa era construída assim para facilitar a alagem, mantendo a rede afastada da hélice. outra característica arcaica são os mastros, que foram mantidos durante muitos anos após ter sido abandonada qualquer navegação à vela pelos barcos de pesca.Old photo of the Sesimbra harbour. Several purse-seine boats show the typical "hand fan" stern, allowing for the pulling of nets by hand, away from the propeller. The masts are also a reminder of the sailing days, although, by this time, no fishing boat used sails.


Foto enviada por / photo sent by Constança Lucas.

11 Comentários:

Às 10/9/08 , Anonymous Anónimo disse...

Caro João um dos motivos da popa de leque era o espaço que este tipo construção criava para arrumação da rede sem aumentar a superficie de contacto com a água ,os mastros embora sem velas serviam para suportar a carangueja afim de içar enxalavares ou peixes mais pesados alem de servirem de apoio para as luzes de apoio .

 
Às 11/9/08 , Blogger Hilda disse...

I like how boats look like with masts and sails — so much more romantic. But not easy for the sailors, I'm sure.

 
Às 11/9/08 , Anonymous Anónimo disse...

Estas são as traineiras que trago na memória,nunca vou esquecê-as estão ligadas à minha infância e ao meu avô.
Traineira Pepita...Traineira Pepita.

Eu

 
Às 11/9/08 , Anonymous Anónimo disse...

por falar em Pepita,que tal uma foto dessa Sr. espanhola,tão conhecida em Sesimbra João???
é uma figura dos velhos anos de Sesimbra,onde o carismático Mario Martelo dáva cartas e os Galés(os verdadeiros!!) faziam da noite de Sesimbra um encanto...
fica a sugestão

 
Às 11/9/08 , Blogger babooshka disse...

Love the busy scene of boats at rest.

 
Às 11/9/08 , Blogger J.A.Aldeia disse...

Agradeço os comentários.
Na foto também se vê um troço do molhe exterior (que ainda existe, mas agora apenas como um pontão interior). Vê-se também a cortina que tinha em cima, e que foi retirada há poucos anos. Devido a reclamações, a altura dessa cortina fora aumentada mas, mesmo assim, em Janeiro de 1963, quando o porto estava em acabamentos, um vendaval provocou enormes estragos em embarcações, sendo então considerado como uma "ratoeira".

 
Às 12/9/08 , Anonymous Anónimo disse...

Penso que esta foto foi tirada em finais da década de 60 ou principio de 70,isto proque as traineiras da foto já tinha alador espanhol.
Estes aladores foram os primeiros a aparecerem nas traineiras de Sesimbra,em relação aos guinchos penso que todas elas já possuiam desde 1950,isto porque era a unica forma de conseguir puxar a retenida.

 
Às 12/9/08 , Anonymous Anónimo disse...

Nesta foto os unicos barcos que se mantêm operacionais em Sesimbra são o Borrachinho (do Mestre Salazar) agora com o noma de Guri e o Pai do Céu (do Mestre João).

 
Às 15/9/08 , Blogger Constança Lucas disse...

foto tirada em 1970 pelo fotógrafo Martins

A fotografia era do meu pai o Eng. Almeida Lucas já falecido.

 
Às 16/9/08 , Anonymous Anónimo disse...

Um pormenor interessante é a abertura da estrada para o parque de campismo, que se pode ver como pano de fundo.

 
Às 23/9/08 , Anonymous Anónimo disse...

Conheço muito bem o antigo funcionário da CMS que abriu a estrada do parque campismo. É uma pessoa digna e de quem o Eng. Almeida Lucas enquanto Presidente da CMS gostava muito. Julgo que o sentimento era reciproco.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada