ll

quinta-feira, julho 09, 2009

Sesimbra
Sesimbra
Sesimbra

Barco Vontade de Vencer, na pesca em Marrocos e já desmantelado no esteiro do Talaminho (Seixal).
Fotografias de Miguel Lourenço.
Fishing boat Vontade de Vencer, fishing in Morocco and being dismantled at Talaminho (Seixal).
Photos by Miguel Lourenço
[ clique para ampliar ]

16 Comentários:

Às 10/7/09 , Blogger mendogas disse...

Meu Deus até me dá um aperto no peito!
Os anos que trabalhei por esses mares lado a lado com èsta embarcação,agora ver assim os seus restos doi!.

 
Às 10/7/09 , Blogger mili disse...

Que lindo que era e como está!
mas tudo na Vida é assim, o tempo passa e vai estragango, e como diz o mendogas, dói, se dói!

 
Às 10/7/09 , Anonymous Anónimo disse...

Como tudo na vida . Nasce , vive e morre.

 
Às 10/7/09 , Anonymous Anónimo disse...

Para mim este barco sempre foi especial porque alem de ser uma Cooperativa de Sesimbrenses, foi a maior construção em madeira que os nossos estaleiros navais construiram.
Saudades...

 
Às 11/7/09 , Anonymous Anónimo disse...

Desmantelado ou lixo ribeirinho?

 
Às 11/7/09 , Anonymous Anónimo disse...

O Mestre Avis era o nome do barco irmão do Vontade de Vencer também ele desmantelado à uns anos.
Foram barcos construidos na viragem da década de 70 para a de 80.

 
Às 11/7/09 , Anonymous Anónimo disse...

Abatido pode ser mais correto,e no próximo mês de agosto estão na calha mais meia duzia de embarcações que pescam a pescada com redes,e lagostins com covos.
Ficamos sem frota de redes de emalhar.

 
Às 11/7/09 , Blogger mendogas disse...

Pois bem dizia o nosso ministro das pescas que há falta de mão de obra no sector das pescas.
Ou seja ninguêm quer ser Pescador
ele dizia no jornal
falta de emprego? A pesca emprega
um grande numero de pessoas!
Mas os filhos dele não vão pra lá de certeza!
Depois dizia:
Os pescadores ganham conforme o que pescam
No meu entender não é bem assim
os pescadores ganham aquilo que lhes querem dar!!!
E eu sei do que falo!
mas voltando um pouco atrás e em relação ao post e em relação ao 1º anónimo é verdade tudo na vida nasce,e morre mas no caso em questão diria antes mataram-no e por sinal bastante novo!!
E como diz o 2º anónimo e muito bem era um barco bastante especial para nós Sesimbrenses assim como o Mestre de Avis do "António da Gestrudes" nasceram os dois pelas mãos dos nossos carpinteiros navais nos nossos estaleiros em Sesimbra. Acompanhei a obra desde a quilha até serem lançados á àgua

 
Às 13/7/09 , Anonymous Anónimo disse...

o salta a vara aqui á pouco tempo tambem disse que a pesca era uma actividade onde não havia desemprego, há é falta de mão de obra.

 
Às 14/7/09 , Anonymous Anónimo disse...

Foi com muita pena minha que vi partir estas embarcações sem lhes terem dado um destino digno, porque afinal eram o ganha pão de muitas familias e para muitos a "casa" que mais tempo passavam.
Acho que a CMS deveria ter ficado com um barco destes à imagem das camaras de Ilhavo,Viana,Olhão e Vila do Conde.
Afinal é um pedaço do nosso passado recente que desapareceu para sempre, a camara poderia ter adquirido a custo zero a "Menina Encantada,MilDias,Zimbrapesca,Libertação,Vontade de Vencer,Formigueiro etc

Nuno Penim

 
Às 15/7/09 , Anonymous Anónimo disse...

Amigo Mendongas claro que dói ver desaparecer os simbolos da nossa melhor actividade económica, dói ver desaparecer a actividade dos homens de terra, especialmente o "desenmachuchar da pita", o frenesim das lojas de companha, o cheiro característico associado às actividades da pesca, etc, etc...
Dói ver a tipicidade de Sesimbra a desaparecer.

 
Às 17/7/09 , Anonymous Anónimo disse...

A nossa melhor activida ecónomica é a industria de extração (pedra e areia (dolomite)) que gera milhões e é controla ( ) depois a pesca que gera muito menos e a seguir o turismo que gera ainda menos.

 
Às 19/7/09 , Anonymous Anónimo disse...

Não sei os valores em causa da extração de pedra, mas uma coisa é certa a pesca sempre foi a maior actividade económica no nosso Concelho basta ver quantas pessoas emprega as pedreiras e a pesca, todas elas são uma mais valia sem duvida no entanto aquando no inicio do parque marinho fizeram da pesca o bode espiatório e então a Secil e as próprias pedreiras com os seus rebentamento que até as nossas falésias acabam derrocadas como em são penedo e o pó agarrado às rochas submarinas em que criam uma nata impossivel ao desenvolvimento da flora marinha.
Acontence que umas têm hobies maior que outres.

 
Às 21/7/09 , Anonymous Anónimo disse...

como diz ai o mendogas e um enorme aperto no coracao e no peito.sendo filho do mestre deste barco deu me uma vontade enorme de chorar quando eu vi o barco, mas todo passa e nao fica ca ninguem para contar historias... abracos

 
Às 6/9/10 , Anonymous Eduardo Vidal disse...

não tenho palavras pra descrever a emoção aprendi atrabalhar no vontade de vencer desde a primeira viagem ate 1987. Eduardo Vidal

 
Às 14/1/11 , Anonymous Luís Campos disse...

Depois de ver estas imagens recordo-me desde a primeira viagem que foi às Canárias nos anos 80 troxemos o barco carregado de pescado na maioria chaputa. Também me lembro com alguma tristeza a última viagem que fiz para o abate no talaminho,no ano de 94. Durante estes anos de actividade,a minha mocidade perdeu-se numa vida muito trabalhosa e difícil, que nunca é recompensada a nível monetário. O apelo que faço a todos os camaradas que fizeram parte da companha de mar e de terra, infelizmente, alguns já partiram, que marquemos,um jantar de convívio no restaurante lobo do mar que o proprietário á o nosso camarada Bernado. Um abraço a todos os que estão entre nós. Luís Campos

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada