ll

segunda-feira, abril 23, 2007

fotografia alojada em www.flickr.com

     Também eu andei muito de aiola, por vezes como pescador desportivo, mas mais como uma espécie de "regalista" a remar à borda d'água.
     A aiola é um barco característico de Sesimbra. Embora se encontrem alguns exemplares noutros portos, como Setúbal, não possuem a arte de construção naval que encontramos nas nossas aiolas, o que revela a sua natureza de cópias. Apesar disso, há dicionários que o identificam como um "barco típico de Setúbal".
     A compexidade das suas linhas revela a feliz conjugação de dois objectivos: possuir espaço interior suficiente para os apetrechos de pesca e para os movimentos dos pescadores, e simultaneamente possuir notáveis capacidades de navegação, tanto a remos como à vela, que era o seu principal meio de locomoção antes do aparecimento dos motores fora-de-borda. Contrastando com o seu peso, razoável para um barco de cerca de 3 metros e meio, a aiola desloca-se na água com uma agilidade notável, ao mesmo tempo que possui uma boa estabilidade lateral, muito importante para a pesca.
     Foi a bordo da aiola que se desenvolveu a técnica da pesca desportiva do espadarte, pela mão de homens como Arsénio Cordeiro, em conjugação com a arte de pescadores como o "Guiné" ou o "Zé da Calma", grandes remadores. Por isso a aiola é dos poucos barcos existentes no mundo que pescou peixes muito maiores do que o seu próprio comprimento.

Desenhos da aiola: [ 1 ] [ 2 ] [ 3 ]

1 Comentários:

Às 23/4/07 , Anonymous Anónimo disse...

Ó João então e o colete ? Ai ai ai ai ! Se o cabo de mar te vê ...
Tás a remar numa aiola ou numa chata ?

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada