ll

terça-feira, fevereiro 03, 2009

Sesimbra
Bérrio, navio-tanque da Marinha Portuguesa desde 1993, esta manhã na baía de Sesimbra. Anteriormente pertencera à congénere inglesa, a Royal Navy, como Blue Rover [], e participou na guerra das Malvinas operando na ilha da Geórgia do Sul.Bérrio, a smal fleet tanker of the Portuguese Navy. Formerly belonged to the Royal Navy, named Blue Rover [], and operated at South Georgia island during the Falklands war.
[ clique para ampliar ]

15 Comentários:

Às 3/2/09 , Blogger Babooshka disse...

This is gorgoeus

 
Às 3/2/09 , Anonymous Anónimo disse...

Hoje ao largo da baía de SSB.

 
Às 3/2/09 , Anonymous Anónimo disse...

Diz-se "Royal Navy".

 
Às 3/2/09 , Blogger J.A.Aldeia disse...

A Marinha Inglesa tem o nome oficial de Royal Navy, mas também pode ser identificada como British Navy: veja-se, por exemplo, esta sua nota de imprensa →, logo no final do primeiro parágrafo.

 
Às 3/2/09 , Anonymous Anónimo disse...

Também a força aérea britânica é RAF e não British Air Force.
Se quiser, fique com a taça, mas refira-se a RN! É mais elegante.

 
Às 3/2/09 , Blogger J.A.Aldeia disse...

Muito bem, já emendei para Royal Navy, Ruler of the Seas.

 
Às 3/2/09 , Anonymous Anónimo disse...

Será para atestar o bote de combustivel ou para o fiscalizar ?

 
Às 3/2/09 , Anonymous Anónimo disse...

'Tá a ver, não custa nada! RN é que é bonito!

 
Às 4/2/09 , Anonymous Anónimo disse...

Por acaso se falarmos em Royal Navy poderiamos estar a falar na Royal navy do CANADA ,Austrália , Jordania MAROC etc . Mas quando nós falarmos acerca da Royal Navy fora das ilhas Britanicas diz-se the British Royal Navy ,portanto sr Aldeia tem razão

 
Às 5/2/09 , Anonymous Anónimo disse...

Não, não tem razão o Sr Aldeia. A marinha de guerra britânica chama-se Royal Navy, embora seja frequente dizer-se "the British Royal Navy" para a distinguir de outras forças navais de países monárquicos (curiosamente, os franceses mantêm a designação La Royale para a sua marinha de guerra, mesmo sendo uma República).
Já agora, também devia dizer-se "She formely belonged to the Royal Navy, ...".

 
Às 5/2/09 , Blogger J.A.Aldeia disse...

Indiquei, acima, um link para uma nota de imprensa da Marinha Inglesa onde ela própria escreve British Navy, e mesmo assim ainda há "especialistas" a dizer que não pode ser?
Chama-se a isto "ser mais papista que o Papa".

 
Às 5/2/09 , Anonymous Anónimo disse...

E o título dessa nota de imprensa: "ROYAL NAVY GETS NEW MINE HUNTING SONAR"? Não quererá dizer nada?

Especialista em assuntos navais e reais.

 
Às 5/2/09 , Blogger J.A.Aldeia disse...

Quer dizer que se podem usar ambas as expressões.

Cometi o erro de dar importância a estes comentários, que afinal desviaram a atenção do essencial para o acessório. Nada mais direi sobre este assunto.

 
Às 5/2/09 , Anonymous Anónimo disse...

Não, quer dizer que a expressão mais utilizada é, de facto, Royal Navy.
Repito, também, que é "she" que se utiliza.

Acrescento que o primeiro comentário, feito em 3/2/09, não tinha qualquer carga crítica. Era somente um contributo. Se me levou a mal, peço desculpa, mas como já comentei outras situações (Hinterland, por exemplo), pensei que o poderia fazer de novo. Daqui p'ra frente pensarei duas vezes. O tom de algumas das suas respostas a tal aconselham.

Já agora, a propósito deste post, qual era o assunto essencial e qual o acessório? A correcção do inglês deve considerar-se assunto acessório ou essencial?

Este especialista também não dirá mais sobre este assunto. Sobre outros, logo se vê.

 
Às 7/2/09 , Anonymous Anónimo disse...

Pois é agora até temos os formados em germanicas pela wall street do Fogueteiro

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada