ll

sexta-feira, abril 24, 2009

Sesimbra
Peixe a secar.Salted fish, drying under the sun.
[ clique para ampliar ]

7 Comentários:

Às 24/4/09 , Blogger buik disse...

Pêxè.

 
Às 24/4/09 , Anonymous Anónimo disse...

Estes peixes a secar nas cordas é que sâo as florinhas nas ruas de Sesimbra , infelizmemte também já nâo é permitido

 
Às 24/4/09 , Blogger Swt disse...

Aqui está algo que me intriga.. Será que depois de seco come-se assim ou ainda tem de se cozinhar???

 
Às 26/4/09 , Anonymous Anónimo disse...

já nâo é permitido porque?

 
Às 26/4/09 , Blogger ATM disse...

Para SWT,

Este processo de conservar o pescado é uma forma engenhosa das populações ribeirinhas piscatórias, em particular de Sesimbra, talvez de conservar alimento para os chamados “dias de chuva” ou seja, quando as condições de mar e invernias impediam de “ir ao mar” e abastecer as famílias com peixe fresco.

No geral como eu confecciono este tipo de produtos é em tudo muito semelhante àquele que se faz com o bacalhau – demolha-se e coze-se.

Pessoalmente introduzi algumas variantes.

Com o peixe mais miúdo, tipo carapau, depois de demolhado, gosto de o fazer numa espécie de sopa, caldo, começando com um refogado ligeiro de azeite, cebola, alho e piripiri, que depois abafo com uma golada de vinho branco, ao que junto depois batata, umas tiras de pimento, e uns tomates cortados grosseiramente aos sextos. Quando tudo levanta fervura meto os bichanitos, rectifico os temperos e quando a batata está cozida, está pronto. Comecei há algum tempo a servir em pratos de sopa fundos, sobre uma fatia fina de pão da Azóia. Uma delícia.

O polvo seco, também vai demolhado, cozido em água e sal com uma golada de azeite, uma pitada de pimenta e uma cebola na água da cozedura. Acompanho com batata cozida, de preferência dos campos do Meco e grelos de nabo. Tudo regado com um bom azeite, umas gotas de vinagre e umas lâminas de alho a temperar o conjunto.

Naturalmente que o meu favorito é o cademonte. Bicharoco de paladar sublime, verdadeiro manjar dos deuses e neste caso, os deuses são todos de Sesimbra que o sabem apreciar.

Além de ir preparado como o polvo, com alguma habilidade, o cademonte pode ser trabalhado na cozinha como o bacalhau.

A minha gulodice por este mimo local levou-me a alguma experimentação. Uma das formas como ele marcha é – sempre depois de demolhado –, cozê-lo como o polvo acima descrito. Mas cozo-o apenas 2 a 3 minutos em água ferver com o lume acesso à força toda e a panela tapada, depois apago o mesmo e deixo o cademonte ficar 6 a 8 minutos na água quente (o cademonte não é muito grosso e pode esfarelar). Depois lasco o bichinho e reservo, bem como a água da cozedura, retirando a cebola que desprezo.

À parte, na misturadora, trituro um bom molho de coentros, 7/8 dentes de alho (para quem gosta de tanto alho, mas pode ser menos), sal grosso, uma golada de azeite e piripiri até obter uma pasta verde uniforme.

Ainda à parte cozo umas batatas cortadas às rodelas como se fossem para fritar mas muito mais largas, largura de um dedo mindinho.

Ainda à parte escalfo um ovo por cabeça.

Finalmente, reaqueço a água de cozer o cademonte, deito-lhe dentro umas boas 2/3 colheres de sopa de concentrado de tomate, deixo levantar fervura, deixo cozer o tomate 4 minutos, deito-lhe a pasta verde para dentro, deixo cozer mais 2 minutos e junto o cademonte lascado.

Depois assemblo o prato. Num prato de sopa fundo a tal fatia de pão da Azóia, por cima o ovo escalfado, em seu redor as batatas e por cima de tudo isto o cademonte com o caldo a regarem a coisa.

Tudo isto acompanhado com um bom vinho tinto para “confortar” o gosto do alho, uma mulher belíssima ao lado – a nossa – e uns quantos amigos de peito, fazem uma noite de Sábado magnífica, homenageando um produto alimentar nosso e da nossa cultura ( e façamos como os Espanhóis, se nos quiserem tirar o que é nosso e que nos identifica e singulariza, pois que nos encostem “al paredón”, mas deixar o cademonte … é que não.

Bom apetite
ATM

 
Às 26/4/09 , Blogger Swt disse...

ATM:
Que maravilha! Que texto! Bem escrito e cheio de valores da nossa gastronomia.
Merecia ser um post de per si.Mas, para já, vou imprimir este comentário e colocá-lo dentro do meu livro de receitas.
Muito obrigada!!!

 
Às 27/4/09 , Blogger ATM disse...

Para SWT

Obrigado pelas suas palavras amáveis.

Se vier a Sesimbra, pergunte pelas ruas e às suas gentes outras formas de cozinhar este tipo de produto e tenho a certeza de que ficará com o seu livro de receitas bem mais “gordo” e é muito provável que, com a genuína simpatia dos Sesimbrenses, até vá para casa com uma aprazível oferta de um deste bichinhos para as suas experimentações culinárias e incursões na sua cultura.

Até um dia
ATM

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada