ll

quinta-feira, janeiro 15, 2009

Hoje, um pequeno extracto de uma antiga cegada carnavalesca da Aldeia do Meco, escrita por Mário Rui []: dois pescadores (que não se percebe bem se estão a safar machucha ou a ensarremar) falam sobre as banhistas estrangeiras. A cena é duplamente engraçada, por causa da brincadeira com o modo de "falar pexito", mas também porque, involuntariamente, revela um pouco da "fala do campo". O texto desta cena, intensamente metafórico, encontra-se reproduzido e comentado aqui →Outdoor theatre play, in verse and rime, the kind of comic plays that each year are performed at Carnival, usually depicting recent events or moral fables. In this scene, two fishermen from Sesimbra talk about the flirting and dating with women tourists. We can also see here the traditional rivalry between the rural zone and the fishing town of Sesimbra; the author [] and actors are from the rural zone (Aldeia do Meco) and kindly joke about the colourful and metaphoric way of speaking of Sesimbra fishermen.

4 Comentários:

Às 15/1/09 , Anonymous Anónimo disse...

excelente video. orgulho em ser pexito!!

 
Às 15/1/09 , Anonymous Anónimo disse...

Dois bons comediantes da Aldeia do Meco.

 
Às 15/1/09 , Anonymous Anónimo disse...

está muito engraçado com isto cada vez tenho mais orgulho em ser pexito

 
Às 16/1/09 , Anonymous Anónimo disse...

Á uns 30 anos com a crise na agricultura de subsistencia houve um campones que veio pedir lugar para uma traineira de sesimbra, antes de embarcar disse á mulher que o maior peixe que viesse na rede era dele.
Julgando-se mais esperto que os pexitos, assim que desembasaram a sardinha escondeu o maior peixe que veio na rede dentro do balde com a samarra por cima.
Quando chegou a casa disse:
Na te disse melher co maio pexe era pa gente, vai acender o lume.
O alegado peixe não passava de uma alforreca.
O campones pôs a Alforreca no fogareiro e foi tratar da salada, cquando chegou cá fora não viu o peixe, e disse:
Á melher, bandides além de robarem o pexe ainda porcima apagarem o lume!

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada