ll

terça-feira, junho 26, 2012

Nunca mais passa esta mania das palmeiras.Oh no, palm trees again!...
[ clique para ampliar ]

19 Comentários:

Às 26/6/12 , Anonymous JCarlos disse...

Acho uma falta de sensibilidade colocarem palmeiras nesta zona, tapando a vista para o mar que é tão caracteristica deste largo. Recordo-me que li numa revista do municipio que iriam procurar não tapar a vista para o mar, ficando eu agora estupefacto ao ver estas arvores tão mal colocadas neste local. Para mim a única solução mesmo é retirar estas palmeiras deste sitio e colocar nos locais da vila onde estavam as palmeiras que tiveram de ser removidas devido aos escaravelhos.

 
Às 27/6/12 , Anonymous Anónimo disse...

Não podia estar mais de acordo com o comentário feito pelo Autor à fotografia!!! As palmeiras não são uma espécie loca, nem nacional (pelo menos aquelas)!!! Porque não colocar uns sobreiros, ou uns pinheiros???

Já na Marina de Sesimbra estão uma série de palmeiras que são de um ridículo atroz!!!

Cumprimentos,

CMP

 
Às 27/6/12 , Anonymous Anónimo disse...

Esta mania das palmeiras, cheira-me a grande negócio.

 
Às 27/6/12 , Anonymous Anónimo disse...

Pensava que queria dizer que nunca mais passa esta mania de colocar sinais de sentido proibido.

 
Às 27/6/12 , Anonymous Anónimo disse...

Não devem certamente existir nenhumas arvores mais caracteristicas de Portugal...e o local não ficava mais harmonioso com uns arbustos? Creio q sim!

 
Às 28/6/12 , Anonymous Anónimo disse...

Estou a aguardar com alguma expectativa o tipo de candeeiros que irão iluminar esta marginal, atendendo que os que se encontram na marginal nascente são infelizes tanto estecticamente como funcionalmente.

 
Às 28/6/12 , Anonymous Anónimo disse...

Penso que pior que as Palmeiras são os Jacarandás colocados no Largo do Municipio.
Se analisarmos as que estão na Avenida, e por exemplo, olharmos para o chão em frente à Xurrex, verificamos a porcaria que aquilo faz, não só ao chão como aos carros estacionados.
Agora, ao colocarem estas árvores no Largo do Municipio, que acabou de sofrer obras, já podemos imaginar como irá ficar o chão.

 
Às 28/6/12 , Anonymous Anónimo disse...

´É só verem as arvores que há na serra da Arrábida e colocarem iguais, de certeza que se irão dar bem

 
Às 28/6/12 , Anonymous Anónimo disse...

ERRADAS OU CERTAS, SÃO OPINIÕES, E HÁ QUE RESPEITAR.
PORQUE AGRADAR A GREGOS E A TROIANOS..............

 
Às 29/6/12 , Anonymous Anónimo disse...

Antes de querer ser respeitado, tem de respeitar!

 
Às 29/6/12 , Anonymous Anónimo disse...

por favor não impliquem com as jacarandás, comparar com as palmeiras, ...por favor. Aquilo que dizem ser lixo é de uma grande beleza, tem que se limpar , claro!, mas antes olhem com olhos de ver. Sesimbra tem falta de arvoredo , de flores, não é só pedra e olhar para o mar.

 
Às 29/6/12 , Anonymous Anónimo disse...

A plantação de palmeiras é preferivel à de elementos fálicos contornando todos os percursos pedonais... Onde andas tu desenho urbano? Será que os lancis estão em vias de extinção?

 
Às 30/6/12 , Anonymous Anónimo disse...

Em relação à beleza dos Jacarandás, perguntem a quem mora em frente ou tem estabelecimentos comerciais o que acham da árvore. Ou então estacionem o carro na avenida, por baixo de uma, e depois falamos.

 
Às 1/7/12 , Anonymous Anónimo disse...

Quando as obras na vila começaram fiquei com alguma expectativa que estas fossem melhorar a vila. Com o tempo veio-se a provar que estava completamente errado. Estas obras estão a ser feitas à pressa de modo a serem concluidas a tempo das próximas eleições. As alterações que estão a ser feitas só estão a piorar a vila, não a melhorar. Para fazer as obras da maneira que estão a ser feitas, sem cuidado paisagistico nenhum, mais valia estarem quietos!!! TENHAM VERGONHA!!

 
Às 1/7/12 , Anonymous Anónimo disse...

Vergonha sim, porque a vila e o dinheiro são do povo.
Não assassinem mais esta terra.

 
Às 2/7/12 , Anonymous Anónimo disse...

E ainda por cima o "POVO" já não pode residir na vila de Sesimbra!

 
Às 2/7/12 , Anonymous Anónimo disse...

Sesimbra linda...
Não percebem o intuito das palmeiras?
Já temos camelos. Agora só falta negociar o preço com os árabes.
Não falta muito.
Mohamed da Silva

 
Às 2/7/12 , Anonymous Anónimo disse...

Em relaçao às palmeira, em minha opiniao é o menos importante, porque qualquer terra em qualquer país na zona de praia elas estao presentes, em relaçao ás jacarandás sao bonitas, mas tem um cheiro horrivel e só fazem porcaria, podia optar-se por outro tipo de arvore, vamos o ver o que vai acontecer no largo do Municipio-aquele dos ferros- como vai ficar a calçada, mas o que me preocupa mesmo é a falta de verde, de espaços para desfrutarmos o
mar,estamos virados de costas, no Largo de Bombaldes, tiraram-nos a Rosa dos Ventos,puseram uma vitrine para uma pedra-porque ninguem sabe o que é- e fizeram uns bancos virados para um restaurante, vamos ver o que vai acontecer nos "valentes". Fico mesmo triste com o que se está a passar na minha terra, mas gostei desse termo de elementos fálicos

 
Às 2/7/12 , Anonymous LCPinto disse...

Vou tentar alhear-me dos comentários já feitos sobre as palmeiras, marginal, alterações, enfim, obras em execução.
Estou de acordo nalguns pontos, outros nem tanto, outros bem distante.
Uns arbustos semelhantes aos que existem a nascente em frente ao empreendimento Hotel Sesimbra Spa, ficariam bem, com conta e medida, são resistentes ao ar marítimo.
Uma iluminação adequada, também é importante.
A marginal só com um sentido implica, ter sido estudada e bem estudada as alternativas de saída da Vila, que me parecem precárias, correndo o risco dos visitantes se cansarem entrando e saindo de Sesimbra sem tirar o rabinho do assento do automóvel – também por falta de estacionamento e não só.
Atenção à saída por Alfarrobeira pela Rua Eduardo Cunha Serrão com entroncamento Est Municipal 572 perigosa a merecer no mínimo semáforos.
Quando o visitante vem pela R Cândido dos Reis até à Fortaleza, tem que optar pelo Nascente ou Poente, em qualquer dos casos é limitadora a visita ao outro lado, tendo que sair da Vila, dando uma volta muito grande e desmobilizadora – a alternativa mais próxima é uma Rua muito ingreme do Jardim para o largo da Igreja e mesmo essa só conhece quem é da casa. Quando se sai por Poente pela R 4 de Maio e se quer visitar a parte Nascente, os visitantes são induzidos em erro descendo Av Combatentes – está lá uma placa a dizer Sesimbra, voltando outra vez à marginal poente, sem alternativa para retroceder. Aí a informação poderia ser mais explícita, porque mais acima há um entroncamento com a R Conselheiro Ramada Curto que possibilita descer novamente a R Candido dos Reis e optar finalmente pela Nascente.
Aqui posso tirar a conclusão que explicitar Nascente ou Poente para quem nos visita faz toda a diferença, embora não deixe de ser cansativo.
Depois destas voltas fui à praia do ouro tomar um banho quando regressei utilizei as passareles de madeira que ainda não estão completas mas graças a Deus estão já cheias de lixo, desde fraldas de bébé a lixo orgânico, garrafas partidas e restos de obras com ferros retorcidos ferrugentos, um mimo para o visitante recordar.
Aguardo o final para ver qual o ganho!

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada