ll

sexta-feira, novembro 19, 2010

A foto está um tanto desfocada, mas até é melhor assim — trata-se do barco Novo Mar, na década de 70, revelando as deficientes condições de vida a bordo, nesse tempo.The photo is blured, and rightly so; Dating from the 70's, it shows the bad working conditions onboard, at that time.
Foto enviada por / photo sent by Miguel Lourenço.[ clique para ampliar ]

21 Comentários:

Às 19/11/10 , Anonymous Anónimo disse...

Amazing!

 
Às 19/11/10 , Anonymous PEDRO NOVO disse...

Espero que com esta foto, que muita gente de mais valor aos homens do mar pk viviam em condiçoes imploraveis apesar de ainda mts barcos assim o fazerem...
viva os homens do mar ou melhor GUERREIROS DO MAR....

 
Às 19/11/10 , Anonymous Anónimo disse...

Lembro-me que nos anos 70, os estaleiros navais de Sesimbra e a pesca viviam tempos áureos! E também me lembro de ver constantemente nos mesmos estaleiros Barcos de pesca em construção. Peço desculpa mas não posso concordar com a legenda...

 
Às 22/11/10 , Anonymous Anónimo disse...

Era um facto que as condições a bordo eram percárias, até ao inicio da década de 90 quando grande parte da frota Sesimbrense foi renovada e modernizada criando melhores condições de habitabilidade e hegiene a bordo.

penso que esta foto é de meados da década de 80.

 
Às 23/11/10 , Anonymous Anónimo disse...

Esta fotografia é degradante em todos os aspectos, nem os barcos em Sesimbra apresentavam esta situação deplorável, mas, mais grave ainda, nem os pescadores de Sesimbra apresentavam esta falta de dignidade. Esta foto é uma mancha negra neste blog, devia ser “rasgada”, não reflecte Sesimbra nem a sua Gente.

 
Às 23/11/10 , Anonymous Anónimo disse...

Não percebo como é que olhando esta foto EXTERIOR, se possa avaliar as condições de vida a bordo, ainda que saibamos que em muitos barcos seriam mesmo precárias e deploráveis.

JPA

 
Às 23/11/10 , Anonymous Anónimo disse...

O anónimo anterior pelos vistos não conhecia a frota Artesanal de Sesimbra da década de 70 e 80, e muito menos está em causa a dignidade dos pescadores sendo eu neto e filho de pescador a mim parece-me uma demonstração de uma realidade que passou ao lado de muita gente que não fazia ideia de quanto era dificil a vida a bordo.
O anónimo anterior pelos vistos pensava que uma viagem para pescar em Marrocos era tal e qual como fosse num navio de cruzeiro.

PS- Esta foto é um documento precioso que só enaltece e dignifica a vida dura dos pescadores.

 
Às 25/11/10 , Anonymous Anónimo disse...

Enaltece e dignifica os pescadores?
Esta foto é uma trampa, só pode servir para consumo próprio.

 
Às 25/11/10 , Anonymous Anónimo disse...

Esta foto é nojenta e imprópria para um blog desta natureza.
Inaltece os pescadores??!!!Não me façam rir.
Infeliz escolha Sr.Aldeia

 
Às 25/11/10 , Blogger J.A.Aldeia disse...

Publiquei esta foto, acompanhada unicamente do comentário de que ela revelava "as deficientes condições de vida a bordo", na altura em que foi tirada. Entretanto houve outros comentários, opiniões diversas e divergentes sobre o mesmo assunto, e até a correcção de que não se tratava dos anos 70 mas sim dos anos 80 — e tudo isso é normal, incluindo a divergência de opiniões

Creio que a publicação da foto seria criticável apenas se permitsse a identificação individual de alguém, mas não é esse o caso. Assim, não me parece que a foto seja indigna de publicação.

É verdade que nas "fotografias de autor", é actualmente dominante uma visão "romântica" da realidade: veja-se o caso da maioria das exposições fotográficas sobre o Cabo Espichel que se realizaram este ano em Sesimbra. Mas não é essa a "escola" deste blog. Talvez por isso eu próprio não tenha sido considerado um fotógrafo às altura de ser convidado para qualquer dessas exposições. E, de facto, não é fácil apanharem-me a fazer essas fotos de calendário, nomeadamente com manipulações em photoshop, embora também goste de ver esse tipo de imagens (não sou daqueles que pretende censurar a visão diferente de outros fotógrafos, nem que seja apenas um acidental e anónimo pescador-fotógrafo).

 
Às 25/11/10 , Anonymous Anónimo disse...

Bolas, que falta de entendimento do conceito que a história pode promover, criticar o post a uma foto colectiva, demonstrativa do momento particular que sempre existiu e se partilhou desde do "clássicismo" em mar alto?

Amazing!

 
Às 25/11/10 , Anonymous Anónimo disse...

Clássicismo sem classe, pode provocar um sismo ou uma cisma.

 
Às 26/11/10 , Anonymous Anónimo disse...

Não acho que esta foto ponha em causa ou manche este Blog, penso que a ideia desta foto é mostrar a realidade de um passado recente,um anónimo inclussive diz"os barcos em Sesimbra não apresentavam esta situação deplorável" esta pessoa não conhecia a frota pesqueira de Sesimbra não foi por acaso que todos os armadores na altura (inicio de 90) construiram novos barcos com melhores condições para as companhas e armazenamento de pescado a bordo.
E nunca esta foto põe em causa a dignidade do pescador.

PS- então se uma aiola estiver ás lulas perto de sesimbra e se o pescador tiver uma necessidade fisilógica acham lógico vir com a aiola á praia, para ir ás WC das Centinas (largo da Marinha).

 
Às 26/11/10 , Blogger José Luís Espada Feio disse...

opiniões distintas e comentários paralelos à parte, este retrato consegue indiscutivelmente um dos principais objectivos da fotografia: não ser indiferente.

 
Às 27/11/10 , Anonymous Anónimo disse...

Com respeito à foto em questão, independentemente de sabermos que desde o Presidente desta República ao sem-abrigo toda a gente tem Necessidades( uns tem palácios e outros o banco do jardim), mas caramba, não valia a pena mostrarem o rabito para a fotografia.

 
Às 27/11/10 , Anonymous Anónimo disse...

A razão porque a foto está desfocada, é pela simples razão que o fotografo segurava apenas com uma mão a máquina... porque a outra estava ocupada a tapar o nariz.

 
Às 29/11/10 , Anonymous PEDRO NOVO disse...

falam falam e falam. a realidade e o que esta na foto. assim se vivia e ainda se vive em certos barcos da pesca local. esse anonino devia era comprar umas calças e umas botas, e ir pa bordo que depois ia fazer era de boia com pisca na cabeça. la e que se vé quem sao os homens do mar nao é aqui a escrever ou nos cafes...viva os homens do mar ou melhor GUERREIROS DO MAR

 
Às 30/11/10 , Anonymous Anónimo disse...

Se não se importa, um poucochinho de humildade, há guerreiros no mar na terra e no ar, esta mania do monopólio!

 
Às 30/11/10 , Anonymous Anónimo disse...

em relação à foto tenha a plena certeza de que foi mais por brincadeira, mas mesmo que não fosse,pergunto: se o barco não tinha WC,como é que eles faziam???
Não iam guardar e trazer prá terra...não vamos criticálos por essa foto, porque há quem saia de casa, pra fazer as suas necessidades na praia, só que não está lá nenhum fotógrafo....

 
Às 2/12/10 , Blogger J.A.Aldeia disse...

O Carlos Sargedas, na sequência do meu comentário anterior em que fiz referência às exposições integradas nas comemorações dos 600 anos do Cabo Espichel, chamou-me a atenção para o facto de ter feito um convite genérico, através do Facebook, a todos os que quisessem participar. Confesso que não me recordo, mas admito que tenha recebido essa mensagem e que não lhe tenha dado a devida importância (na realidade, não dedico muita atenção ao Facebook) e por essa desatenção já lhe apresentei as minhas desculpas.

 
Às 3/12/10 , Anonymous Anónimo disse...

Todos os eventos dedicados às comemorações dos 600anos sobre o Espichel foram um sucesso, o grande responsável foi sem duvida o Carlos Sargedas.

Ao tempo que uma foto não gerava tantos comentários, parabens a todos os que participam e ao autor do blog.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada