ll

sexta-feira, maio 22, 2009

Sesimbra
     Equipa Sópesca, no I Torneio Popular de Futebol de Salão, em 1975. Outras equipas participantes: Académicos, Aceleras, Belo Horizonte, Brasas, Briosa, Canino, Cergal, Control, Craques, Farras, Fivelas, Ginja, Juventude, K. M. A. M., Limpões, M.D.S. João, Marzul, Metalúrgicos, Pezinhos, Progresso, Radiola, Saragaços, Sol e Mar, Team Pi, União da Maçã, União do Castelo, Velhinhos, Violinos, Young Boys. O torneio era organizado pela Comissão do Ginásio-Sede (o clube tinha então duas Direcções: uma para o Ginásio, outra para o campo de jogos; e cada uma tinha os seus apoiantes).
     Na página desportiva de O Sesimbrense, da responsabilidade de João Pedro Aldeia, salientava-se o interesse que o torneio estava a despertar: «todas as noites dezenas de jovens acorrem ao Ginásio, vivendo com emoção os jogos que ali se vão realizando». Havia, no entanto, falta de árbitros: «além da dificuldade que têm em conduzir os jogos, por vezes vêem-se em situações embaraçosas, criadas pelo público que, esquecendo-se que a colaboração dos árbitros é gratuita, em certas ocasiões dificulta a condução do jogo».
     O que não havia era falta de golos. Por exemplo, na 11ª jornada um dos resultados foi: Saragaços, 26 — Farras, 0. Ou na jornada seguinte: Brasas, 23 — Radiola, 1. Em 23 jogos referidos no jornal a média foi de 14 golos por jogo: ainda era pior do que no tempo do "muda aos 5 e acaba aos 10".
     Para além das reportagens de jogos, a página desportiva da edição de 12 de Maio de 1974 ainda incluía o seguinte texto:
ONDE ESTÁ O ESPÍRITO BAIRRISTA SESIMBRENSE ?
     Os bons velhos tempos já lá vão. Hoje com tristeza se verifica que a massa associativa do Desportivo já não vibra como outrora; o entusiasmo com que o sesimbrense vivia os jogos do seu clube parece ter desaparecido. Tempos houve em que os jogadores eram incitados pelo público sesimbrense quando as coisas corriam mal. Ou, se corriam bem, vinha das bancadas um forte apoio aos atletas. Hoje, porém, durante os encontros, críticas jocosas percorrem as bancadas, os jogadores recebem injúrias e são insultados pelos seus próprios associados. Quem não sabe que o apoio moral aos jogadores e o carinho a estes dedicado leva muitas vezes a equipa à conquista de saborosas vitórias que a todos satisfaz?
     Sesimbrenses, onde está o vosso desportivismo e afecto pelo clube da vossa terra?
     Apoiemos os nossos rapazes e veremos concerteza que além dos bons resultados a alegria e a boa disposição voltarão à Vila Amália.

João Pedro Aldeia [1975]

[ clique para ampliar ]

1 Comentários:

Às 23/5/09 , Anonymous Anónimo disse...

sim nos damos apoio a nossa equipa porque nos somos de sesimbra. E certo mas quem nos da apoio a nos porque se nos falamos talvez haja alguma razao de certeza que muitos dos que la jogam nao gostam tanto do clube como nos k somos soçios a muitos anos eles jogam ca porque,o nosso sebastiam paga e nao e qualquer clube da nossa divisao que tem tudo em dia. Antigamente quando eram quaze 90 por cento jente de sesimbra ai sim ai eles nao jogavam so por dinheiro mas tambem com o amor a camisola, e ai sim nos viamos o que era jogar com garra nao agora,que se perderem perderam nao a crise no fim do mes vem o deles na mesma, e quem e que lhes ajuda a pagar nos os soçios por isso temos todo o direito de falar nao acham. So tenho pena que nem todos penssem da mesma maneira mas hoje em dia todos temos o direito de falar o que pensamos estamos num pais livre.MAS MESMO ASSIM VIVA AO SESIMBRA.porque eu sou do sesimbra.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada