ll

segunda-feira, outubro 20, 2008

fotografia alojada em www.flickr.com
[ clique para ampliar ]
Serenela Andrade, da RTP, e Helder Chagas, do restaurante Ribamar, num programa televisivo.Serenela Andrade and Helder Chagas — owner of restaurant Ribamar — in a television program.

28 Comentários:

Às 22/10/08 , Anonymous Anónimo disse...

Bela maneira e promover a nossa terra já que o interluctor é um daqueles sesimbrenses de que nos orgulhamos ,pena é que só mostrem sempre a beira mar ,porque Sesimbra é muito mais .

 
Às 23/10/08 , Anonymous Anónimo disse...

Beira Mar? Caro participante do dia 22 de Outubro gostava de perceber onde vê a beira mar nesta foto. Nós, em Sesimbra, já todos confudimos a beira mar com um gigantesco aglomerado de cimento. É isso que se vê nesta foto.
Sesimbra, ainda é realmente muito mais. Mas pelo andar da carruagem, qualquer dia, Sesimbra é só mesmo uma grande beira mar de betão.

 
Às 23/10/08 , Blogger J.A.Aldeia disse...

É claro que isto é a beira-mar. O texto deste último anónimo faz parte de um exercício de mistificação que pretende descrever Sesimbra como uma terra que foi destruída pela construção de edifícios. É um discurso que tem como objectivo o ataque político e é, maioritariamente, motivado por interesses partidários, enquanto outros apenas o repetem acriticamente. Este discurso aqui não passa: centenas de fotos aqui publicadas provam que Sesimbra não é essa terra deserta e transformada num aglomerado de cimento, como esta gente tenta fazer crer. Não digo que não acreditem no que dizem: o ser humano também é muito bom a enganar-se a si próprio.

Este discurso deprimente, que só sabe falar de construções e obras, mas que ignora as pessoas e a vida em Sesimbra (assunto de que nunca falam), é deprimente — e tem mesmo esse objectivo: deprimir, aborrecer, desanimar. Não me admiraria que uma análise psicológica desta gente revelasse os traumas que os fazem dizer tão mal da sua própria terra.

 
Às 23/10/08 , Anonymous Anónimo disse...

Para além da agressividade habitual, você chega a ser ofensivo nas suas palavras!
Não será possível haver quem, genuinamente, tenha a opinião de que a construção em Sesimbra (Vila+campo) é excessiva? Porque razão é que o Sr tem constantemente a necessidade de catalogar as pessoas que têm essa opinião de serem "movidas por interesses partidário", ou serem "acriticamente repetitivas", ou "serem muito boas a enganarem-se a si próprias", ou, pior ainda, de terem "traumas" que só uma "análise psicológica" poderá revelar?
Comece o Sr por fazer esse exercício e, depois, conte-nos o resultado.

 
Às 23/10/08 , Anonymous Anónimo disse...

A liberdade de opinião que tanto apregoa, quando lhe dá jeito, merece agora uma análise psicológica. Lamentável João Aldeia.

 
Às 23/10/08 , Blogger J.A.Aldeia disse...

Vamos por partes:

a) Exprimir uma opinião contrária não é contrariar a liberdade de opinião, como insinua o último anónimo, que aliás não adianta ideia nenhuma. E não há nas minhas palavras nenhuma agressividade nem ofensa: o penúltimo anónimo que experimente ler o que escrevi como quem ouve calmamente a opinião de outra pessoa, e perceberá.

b) Exprimo a minha opinião também sobre os motivos pelo qual surgem insólitos como a afirmação do penúltimo anónimo, dizendo que não temos beira-mar, que só existe cimento, etc. Eu creio ser evidente que existe uma beira-mar, que é bastante frequentada, quer a praia, quer a marginal, onde aliás tem aumentado o espaço público reservado aos peões. Ao contrário de outras terras (Setúbal, por exemplo) Sesimbra não está virada de costas para o mar: gosta, usa e disfruta da beira-mar.

c) A afirmação de que não temos beira-mar é tão absurda que temos de encontrar uma explicação para tal insólito. Eu tenho a minha opinião e não vejo porque não a possa exprimir, e repito: «É um discurso que tem como objectivo o ataque político e é, maioritariamente, motivado por interesses partidários, enquanto outros apenas o repetem acriticamente.» Porque razão não haveria de dizer isto, se é o que penso?

d) Mas observemos de novo a foto: ela representa um momento especial duma determinada relação humana: uma conhecida apresentadora de televisão entrevista um dos mais carismátiicos sesimbrenses, um pioneiro da música pop/rock em Portugal, no agrupamento musical Zambras. Herdeiro da tradição familiar do café (e depois restaurante) Ribamar, local de tertúlias e da criação dos Galés, o Hélder Chagas adaptou esse património sesimbrense aos tempos modernos, gerindo dois excelentes restaurantes que qualificam muito o nosso turismo. O primeiro comentador soube captar, em poucas palavras, o que é essencial no momento fotografado. Já o penúltimo anónimo olhou para a fotografia — e o que viu? Viu que não existe beira-mar, e "atirou-se" ao primeiro comentador. Leiam lá de novo e vejam se não dá vontade de rir. Até ignorou uma outra boa ideia lá expressa: a de que Sesimbra é mais do que a beira-mar.

e) Muita coisa — embora sempre modesta — tenho feito pela liberdade de opinião, quer exercendo-a civilizadamente, quer criando espaços para que outros se exprimam, como é o caso deste modesto blog. Digam lá então o que pretendem estes dois comentadores: que eu me cale? que eu diga que têm toda a razão, apesar de pensar o contrário? Digam e deixem-se de lamúrias.

 
Às 23/10/08 , Blogger J.A.Aldeia disse...

Uma nota particular sobre os "traumas": o dizer tão mal da própria terra, denegrindo-a, amesquinhando-a (na minha opinião), sendo incapaz de dizer seja o que for de positivo, é um claro exercício de auto-flagelação. Pergunta: porque hão-de as pessoas auto-flagelar-se deste modo, e desvalorizar assim a sua terra perante estranhos? Se não é trauma, o que será?

Ainda hoje me impressiona o facto de alguém, aqui no blog, ter escrito que aquela zona de Santana a nascente da Barquinha parecia a Reboleira.

 
Às 23/10/08 , Anonymous velho-de(sta)-terra disse...

Ora vejam o que a tia Serenela desencadeou. Vá lá, meninos, a discussão vai acesa, o melhor é serená-la...

 
Às 23/10/08 , Anonymous Anónimo disse...

Sr. João quem disse isso nunca foi à Reboleira (Amadora). Portanto não ligue a quem não sabe o que diz, ou se sabe não diz.

 
Às 23/10/08 , Anonymous Anónimo disse...

SEGUNDO COMUNICADO Á NAVEGAÇÃO!

O PDM de Sesimbra foi aprovado em 1998, ora foi discutido nos anos anteriores (Presidente - CDU / Oposição PS e PSD).
Onde andavam os internautas que se escondem agora através do anonimato e nomes falsos para emitir opiniões que chegam a ser ofensivas e caluniosas contra investidores, políticos e pessoas em geral.
Basta!!!
Um PAÍS tem regras e leis, se por algum motivo achamos que estamos a ser lesados, ou que alguém está ser lesado, procurem junto dos vários mecanismos que existem para repor a verdade. É com comentários do tipo “alguém fez”, “alguém disse” ou seja boato e calúnia que provemos o afastamento das pessoas sérias e competentes da vida politica.

Portanto passo a explicar a todos o seguinte:

- O PDM está aprovado desde 1998, a partir deste momento qualquer terreno no nosso concelho tem uma capacidade construtiva máxima (área de construção e número de pisos). Os investidores compram esses terrenos, na sua grande maioria a pessoas da nossa terra, e aprovam as suas construções, indo ao limite do que o referido PDM permite, como qualquer pessoa que tenta tirar o maior lucro da sua actividade.

- O PDM foi objecto de estudo por vários técnicos, foi posto á discussão pública da população, foi aprovado pelos órgãos municipais (Câmara Municipal), entidades (REN, RAN, etc.) e órgãos nacionais (Assembleia da Republica) e por fim entrou em vigor.

Conclusão, de repente acordamos no ano de 2008 estamos pasmados como tudo aconteceu, em vez de tentar perceber o porquê, lançamos os comentários mais disparatados.

Mas a história repete-se, ora vejamos o actual PDM está em fase de revisão e já aconteceram algumas reuniões em vários locais do concelho, por parte da câmara municipal afim de esclarecer a população. Das reuniões a que assisti, verifiquei que só algumas dezenas de pessoas se deram ao trabalho de sair de casa para as ditas reuniões.
O nosso concelho tem milhares de habitantes, portanto não digam que o ESTADO não vos ouve, digam sim, nós queremos ser ouvidos nos cafés, blogues, rádios e televisões.

Deixo apenas três conselhos:

Primeiro – Nunca passem á frente de ninguém, ou seja respeitem a vossa vez.

Segundo – Sempre que se apercebam que alguém não respeitou a sua vez, comuniquem o sucedido formalmente e nunca anonimamente.

Terceiro – Se não perceberam o que acabei de explanar, não importa eu sou maluco e vós estão correctos

Saúde e cumprimentos cordiais a todos.

Mário Gomes

 
Às 23/10/08 , Anonymous Anónimo disse...

A Mata de Sesimbra continua em investigação.
Esperem pelos resultados...

 
Às 23/10/08 , Anonymous Anónimo disse...

Porque é que não fazem o salão erotico em Sesimbra ,isso é que era.

 
Às 23/10/08 , Anonymous Anónimo disse...

Amo Sesimbra,mas,não me revejo na reacção hipersensível do Aldeia.O urbanismo é uma ciência Humana (ciência aplicada),de carácter multidisciplinar,inserido numa sociedade em processo constante de mutação.O urbanismo não pode nem deve ser,unicamente,um mecanismo gerador de lucro;o urbanismo deve,também,ser sensibilidade,bom gosto,respeito da natureza e das vivências.A nossa vila caracteriza-se pela macrocefalia urbana e consequente desertificação,por um mau gosto evidente e falta de mobilidade...Fico-me,por aqui,porque AMO ESTA TERRA,ESTE MAR:

 
Às 23/10/08 , Blogger J.A.Aldeia disse...

Falam sempre de urbanismo, mas nunca de pessoas. A vida humana da vila é complexa, seja nas relações de trabalho, seja nas relações familiares, seja no diálogo das gerações, no uso do espaço público, no falar no vestir. A única referência (indirecta) que fazem a seres humanos é quando usam a palavra "desertificação". Para eles a vila é deserta. Não admira, por isso, que nunca citem um nome contemporâneo, um acontecimento recente. Eu tenho muito orgulho em apresentar pessoas neste blog, que nunca são anónimas, mesmo quando não as conhecemos ou identificamos pelo nome, porque são visíveis as suas expressões. Mas de muitas das pessoas aqui fotografadas são referidos os nomes e os actos criativos. Se isto é hipersensibilidade, ainda bem que o é. Ainda bem que a vila não é o deserto de cimento e ideias a que se resume a vivência de alguma gente anónima, e provavelmente solitária.

 
Às 23/10/08 , Anonymous Anónimo disse...

O urbanismo é uma ciência humana!

 
Às 23/10/08 , Anonymous Anónimo disse...

"Nós em Sesimbra" refere o segundo anónimo. Está a falar em nome de quem? Eu por mim gosto da minha terra tal como está, invejo (no bom sentido) as condições de vida que os jovens têm hoje(porque eu só tinha o Vila Amália), apenas lamento que o trânsito não seja um pouco mais fluído. Mas esse vai ser um problema de sempre, ainda que se aumente o parque, porque Sesimbra é tão bela e tem tanto para oferecer(não tem tudo, mas quem tem?), que há sempre alguém a chegar, O PARQUE VAI ESTAR SEMPRE CHEIO, POR MAIOR QUE SEJA.

 
Às 24/10/08 , Anonymous Anónimo disse...

Sesimbra é bonita, especialmente a segunda fileira de quarteirões a contar da marginal, com as suas vielas estreitas portadoras atmosferas fabulosas, juntamente com os inúmeros becos e escadinhas em direcção ao mar que estão a uma escala tão próxima de nós. Apenas é pena a existência de alguns (talvez muitos)acidentes arquitectónicos, que acredito que existam devido à falta de um plano territorial mais pormenorizado, temos como exemplo desses acidentes edificios como o Retaurante Baia, Edificio varandas, o edificio virado para o mar que está em frente ao Sana Park, os gavetos do Hotel spa e do outro edificio virado para a marginal que se encontra em frente a esse hotel, entre muitos outros espalhados pela vila...

 
Às 24/10/08 , Anonymous Anónimo disse...

Urbanismo e Pessoas, a seu ver são separáveis. Quando se fala de urbanismo não estamos a falar das pessoas?
Infelizmente, é isso mesmo que se passa actualmente em Sesimbra. Contrói-se, não para as pessoas de Sesimbra e para as casas terem ocupação, mas para um suposto turismo que vai ocupar todas aquelas habitações e que vai trazer, às poucas pessoas que ainda sobrarem, uma enorme riqueza.

Mais uma vez, não faça tantos juízos de valor sobre as pessoas (outra vez as pessoas) que aqui comentam. É bastante provável que não sejam assim tão solitárias como afirma ... ou deseja!

 
Às 24/10/08 , Blogger J.A.Aldeia disse...

«Urbanismo e Pessoas, a seu ver são separáveis.»

Não creio que sejam. No entanto, pode haver quem "fale" de urbanismo, por generalidades, esquecendo as pessoas. Não é por se pronunciar a palavra "urbanismo" que automaticamente se está a falar de pessoas.

O que é que estava em discussão aqui? O dizer-se que Sesimbra não tem beira-mar, que «todos confundimos a beira-mar com um gigantesco aglomerado de cimento». Eu não concordo com isto, expus a minha opinião e argumentei. Caro anónimo, como é que pode deduzir do que escrevi, que para mim «urbanismo e Pessoas são separáveis» ?
Agradeço que explique.

Também referi que os detentores dessa visão de Sesimbra "destruída pelo cimento" e "deserta", sempre falam abstractamente, por grandes generalizações, sem nunca se referirem a pessoas individuais. Pelo contrário, o blog Sesimbra "vê" a beira-mar, as ruas do interior, as lojas, os estabelecimentos, até os lares, e sobretudo as pessoas, que fotografa, bastante individualizadas, nesses contextos. Vê, fotografa e partilha. Sei bem que essas fotos são uma negação desse tal dircurso da "Sesimbra deserta", razão pela qual esses desertistas, quando aparece uma foto com pessoas, nunca vêem as pessoas (como no caso do Helder Chagas) mas sim o tal "deserto de cimento".

 
Às 25/10/08 , Anonymous Anónimo disse...

É João, lembras-te, nos nossos tempos de meninice quando alguém estava aborrecido, diziamos que estava "negro".

É João, tu estás mesmo "negro".
É rapaz, não te aborreças, mas que estás "Negro", lá isso estás.

Estás mesmo danado, mesmo "Negro"

 
Às 25/10/08 , Anonymous Anónimo disse...

"Eu por mim gosto da minha terra tal como está, invejo (no bom sentido) as condições de vida que os jovens têm hoje(porque eu só tinha o Vila Amália), apenas lamento que o trânsito não seja um pouco mais fluído. Mas esse vai ser um problema de sempre, ainda que se aumente o parque, porque Sesimbra é tão bela e tem tanto para oferecer(não tem tudo, mas quem tem?), que há sempre alguém a chegar, O PARQUE VAI ESTAR SEMPRE CHEIO, POR MAIOR QUE SEJA."
Isto é que é visão! Para quê fazer um parque se isto vai sempre estar cheio. Sesimbra é bela para quê melhorar? Mais VISÂO.
"O PARQUE VAI ESTAR SEMPRE CHEIO, POR MAIOR QUE SEJA.". Conclusão apenas lamento que o trânsito não seja um pouco mais fluído. Mas esse vai ser um problema de sempre. O melhor é mesmo não fazer nenhum.

Boa, com este raciocínio és um bom candidato a Presidente da Câmera

 
Às 25/10/08 , Blogger J.A.Aldeia disse...

Acerca do anónimo que me trata por João, digo o seguinte: não tenho amigos anónimos, nem sequer conhecidos anónimos (suponho até que ninguém tem, mas o mundo é tão diverso e muda tanto...). É hilariante esta de alguém que não se identifica, perguntar: "lembras-te dos velhos tempos..."

Há coisas que se escrevem nos blogs que são irritantes, é verdade, mas não destas aqui debatidas. Em geral gosto muito de debates deste tipo, uma espécie de esgrima verbal. Este foi particularmente divertido e não me irritou nada, ainda estou é à espera de argumentos sólidos sobre o que escrevi (o que também é engraçado, reconheço).

Finalmente: numa conversa, uma repetição da mesma ideia ("ideia", salvo seja), como o anónimo faz, revela um fraco argumentador. E fica cómico. Mas sobre as capacidades lógicas deste comentador o que referi em primeiro lugar já era revelador o bastante.

 
Às 25/10/08 , Anonymous Anónimo disse...

Tu que me consideras um bom candidato fica sabendo:
Não fui eu que escrevi "Para quê fazer um parque?
Não fui eu que escrevi " O melhor é não fazer nenhum"!
Ambas as frases são tuas.
Mas já que não percebeste, vou explicar. Quando mencionei a palavra "parque", estava a referir-me a todo o estacionamento automóvel existente na vila e não a um singular parque.E mais explico: a menos que rasguem a serra e construam um hiper parque,todos os silos ou espaços que se criem na vila não vão resolver o problema,até porque muitos nem querem pagar, a exemplo do estacionamento do SPA que está quase sempre vazio.

 
Às 26/10/08 , Anonymous Anónimo disse...

"Mas jáquenãopercebeste vou explicar. Quando mencionei a palavra "parque", estava a referir-me a todo o estacionamento automóvel existente na vila e não a um singular parque.E mais explico: a menos que rasguem a serra e construam um hiper parque,todos os silos ou espaços que se criem na vila não vão resolver o problema,até porque muitos nem querem pagar, a exemplo do estacionamento do SPA que está quase sempre vazio."
Todo este texto revela uma visão fantástica. Não querem pagar. Estão no seu direito. Portanto o melhor é Sesimbra ser a bagunça que é. Então os automobilistas de Sesimbra pagar o parque é mesmo Reacionário
Tens Razão. Mas visão, não tens mesmo nenhuma

 
Às 26/10/08 , Anonymous Anónimo disse...

Então, João, isto de agredir verbalmente todas as pessoas é incomodativo? Para si, já vi que não é? Vocé tem um grande prazer em agredir os outros. Já todos vimos que agredir os outros é o seu grande prazer.

 
Às 26/10/08 , Blogger J.A.Aldeia disse...

Não agredi ninguém, isso é apenas a sua opinião.

 
Às 26/10/08 , Anonymous Anónimo disse...

É a opinião de muitos, Sr Aldeia. Repare quantas vezes o apelidam de "agressivo" ...

 
Às 26/10/08 , Anonymous Anónimo disse...

Aldeia, pensava que esse tiques Maoistas de MRPP, já tinham passado!?...

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada