ll

quinta-feira, setembro 18, 2008

fotografia alojada em www.flickr.com
[ clique para ampliar ]
Hugo Silva, o homem que lutou várias horas até capturar este exemplar de marlin azul (makaira nigricans), de 419 kg, e 4,40 m de comprimento total.Hugo Silva, the man who fighted for several hours for the capture of this blue marlin (makaira nigricans) of 419 kg.

27 Comentários:

Às 18/9/08 , Blogger joao veiga disse...

Pesquei uma vez um marlin azul, a caminho dos Açores, à vela.
Mas era muito mais pequeno

 
Às 18/9/08 , Blogger maria elisa disse...

Vi na televisão. O tamanho é impressionante.

 
Às 19/9/08 , Anonymous Anónimo disse...

Esta medida do comprimento estará correcta? Li algures que o peixe media cerca de 4 metros.

 
Às 19/9/08 , Anonymous Anónimo disse...

Cogratulações para Hugo Silva,Jerónimo Joana e António Valada.

raul aldeia

 
Às 19/9/08 , Anonymous Anónimo disse...

também li que tinha 4 metros e tal

 
Às 19/9/08 , Anonymous Anónimo disse...

Dão-se alviceras, a quem encontar o lindo peixe, mesmo que seja partido às postas.
Ouvi dizer que desapareceu...

Colega Atum

 
Às 19/9/08 , Blogger J.A.Aldeia disse...

Têm razão: o comprimento são 4,40 m e não os 1,84 que indiquei (que é a medida do diâmetro na zona mais "cheia"). Vou emendar.

 
Às 19/9/08 , Blogger ADM disse...

Alguém é capaz de esclarecer o enigma acerca do local de captura. Segundo algumas notícias terá sido no Algarve (não ao largo de Sesimbra como se vem noticiando). Terá sido, segundo essas notícias, a cerca de 70 Milhas de Lagos - Por aí ficam os Picos Goering, local do epicentro da maioria dos sismos que nos afectam, e que costumam ser um bom local para estas capturas nesta época do ano.
Já agora também será importante perceber porque terá sido levado o peixe para Sesimbra? Uma possibilidade é que o Jocanana se tenha mudado de Lagos para Sesimbra! Será?
Ou será que há outros interesse por trás disto?
Se houver por aí quem possa esclarecer eu agradeço. Por daqui, a mais de 6500 Km, fica difícil.

 
Às 19/9/08 , Blogger J.A.Aldeia disse...

Eu apenas sei que foi bastante longe, e não certamente ao largo de Sesimbra. Mas não vejo qual é o problema: creio que o barco está no Clube Naval de Sesimbra e parte da equipa, nomeadamente o responsável mais directo da captura, é de Sesimbra. Os barcos e companhas da pesca do espadarte também não deixam de ser de Sesimbra só porque pescam e vendem noutras zonas.

Acaso haverá outra terra interessada em ficar com os louros?

 
Às 19/9/08 , Anonymous Anónimo disse...

Banco de pesca goernig (garrinche) para os sesimbrense, parabens pela pescaria. Agora temos de nos recordar (antonio anacleto, manuel xoxinha, manuel caminhao) Grandes lobos do mar que pescaram nos bancos do garrinche, a machucha era dificel de safar, devido a captura dos salogos (selongos) Jocanana nao tenha vergonha de ser de Sesimbra?????? o manuel jose polvora (matine) tem ???

 
Às 20/9/08 , Anonymous Anónimo disse...

Digam lá o que disserem, mas, nos dias de hoje, matar um peixe destes por desporto é um crime. Olá se é!

 
Às 21/9/08 , Blogger J.A.Aldeia disse...

E matar um tubarão, também é crime? E um safio? E uma pescada? E uma sardinha?

Será uma questão de tamanho? Então, caro anónimo, diga-nos lá qual o comprimento de peixe acima da qual é crime, e abaixo do qual é fixe.

 
Às 21/9/08 , Anonymous Anónimo disse...

Oh meu caro J Aldeia! Essa de comparar a sardinha com o marlin azul e de desprezar o tamanho como parâmetro biológico, nem parece de um indivíduo com o seu gabarito intelectual. Para sua informação, e a propósito do tamanho dos peixes, deixo-lhe este resumo de um artigo publicado na revista "Scientific American" em Abril de 2006:
"Any commercial fisher or weekend angler knows to "throw the little ones back." The idea is to give small fish time to grow up and make babies. But that strategy may actually be harming fish stocks. Ongoing experiments on captive fish reveal that harvesting only the largest individuals can actually force a species to evolve undesirable characteristics that diminish an overfished stock's ability to recover, says David O. Conover, director of the Marine Sciences Research Center at Stony Brook University. The results may explain why many of the world's most depleted stocks do not rebound as quickly as expected".

Cumprimentos,
MS Pinho

 
Às 21/9/08 , Blogger J.A.Aldeia disse...

Seria mais simples e transparente se respondesse à questão que coloquei, e em português. Sei o suficiente de inglês e da terminologia científica para compreender que a sua citação não diz que não se devem pescar peixes daquele tamanho e/ou daquela espécie.

Ainda que eu aprecie a ironia, sei que ela é muito mal compreendida na Internet, e tende a ser levada à letra por mais gente do que aconteceria numa comunicação directa. Por isso, e não para dar ares de sapiência, deixe-me acrescentar que o gabarito intelectual não conta como argumento, trata-se apenas de uma sofisticação da falácia ad hominen. Ou seja: não é pelo gabarito intelectual das pessoas (o meu, por sinal, até é baixo, como ironicamente insinua, nisso acertou) que elas têm mais ou menos razão numa questão em debate.

Assim, e colocando de lado a ironia e as citações irrelevantes, diga-nos: porque é que entende que se pode pescar uma sardinha e não um marlin.

[Para aqueles que não sabem ou não dominam Inglês, a citação diz que a noção, espalhada entre os praticantes da pesca grossa, de que é desejável capturar os exemplares adultos e libertar os mais jovens, para que tenham tempo para crescer a participar na reprodução da espécie, pode afinal ser prejudicial ao introduzir nos stocks de peixe características que diminuem a sua capacidade de recuperação quando sobre-explorados. Na realidade, não há aqui nenhuma afirmação científica, apenas vagas insinuações.]

 
Às 22/9/08 , Blogger Capt. Ben disse...

Holy Moly!

 
Às 22/9/08 , Anonymous Anónimo disse...

Boa resposta Sr. J. Aldeia. E já agora ò parvalhão anónimo, o que sabes tú do que há no mar. Se calhar nem tens pena de um leitãozinho. E para a próxima escreve português, ou também tens vergonha de o ser.

 
Às 22/9/08 , Anonymous Anónimo disse...

"Na realidade, não há aqui nenhuma afirmação científica, apenas vagas insinuações"
Mais uma vez, desilude-me meu caro J Aldeia. Po acaso leu o artigo que mencionei ? Certamente que não. Como pode então classificar os resultados divulgados nesse artigo como "vagas insinuações" ? Leia e informe-se primeiro. Só assim poderá emitir uma opinião fundamentada.

Cumprimentos,
MSPinho

 
Às 22/9/08 , Blogger J.A.Aldeia disse...

Eu escrevi que "não há aqui nenhuma afirmação científica, apenas vagas insinuações", referindo-me à citação, não ao artigo, que não conheço. E o que a citação diz é que a estratégia de libertar as capturas juvenis pode causar danos aos stocks de peixe - é a isto que eu chamo vago. E não digo que não seja verdade: mas indique-nos então um estudo sobre o marlin a este respeito. Em todo o caso, não é isso que está em causa nesta pesca feita a partir de Sesimbra: há muitos anos que não se pesca um único espadarte (muito menos um marlin, ou espadim) e provavelmente passarão muitos anos sem que tal volte a acontecer.

Sei que a prática de libertar juvenis se aplica á espécie aqui mais capturada nesta modalidade: a tintureira. Não se trata de uma espécie ameaçada, mas se se provar que a captura selectiva de adultos introduz problemas, isso deve ser levado em consideração.

 
Às 23/9/08 , Anonymous Anónimo disse...

Gostava saber qual o destino deste exemplar se o prato se a lota?

Caso seja o prato, então como é que um pescador só está autorizado a levar de quinhão um máximo de 5 Kg de peixe!

 
Às 23/9/08 , Anonymous Anónimo disse...

O peixe foi oferecido para instituições de solidariedade de Sesimbra.

 
Às 23/9/08 , Anonymous Anónimo disse...

Pescar um peixe como este e deste tamanho é sobretudo uma questão de sorte e de força bruta. Agora, pescar tainhas ou sargos, à boia, com água lusa, isso não é para qualquer um !

 
Às 24/9/08 , Anonymous Anónimo disse...

Pois é, digam o que disserem (é sorte mas não só) é de certeza um privilégio pescar um animal destes.
Gostava de ter visto o bicho mas à hora que cheguei já não deu!
Quem gostar de ler leia "O Velho e o Mar" de um escritor/pescador que se chamava Hemingway.
Isurus

 
Às 24/9/08 , Anonymous Anónimo disse...

O velho do "velho e do mar" pescava para sobreviver e com meios artesanais. Nada que se assemelhe a este tipo de pesca sofisticada para burgueses endinheirados.

 
Às 25/9/08 , Anonymous Anónimo disse...

Não tenho a certeza mas creio que o "velho" era o próprio Hemingway, que era um grande aficcionado da pesca.

JPA

 
Às 25/9/08 , Anonymous Anónimo disse...

Hemingway pescava o marlin, mas como regalista e em barco a motor. O episódio de um pescador solitário num pequeno barco, que ferra um marlin de uns 5 m, que depois o arrasta até ao mar alto, tem algumas semelhanças com a pesca do espadarte em aiolas, mas não é bem a mesma coisa: esta modalidade só se desenvolveu aqui como pesca desportiva, sempre com dois homens por aiola e com uma barca de apoio. Isso não lhe tira valor: Pierre Closterman escreveu que só um portugês poderia ter inventado esta aventura num pequeno bote a remos.

É claro que a novela de Hemingway também pode ser lida como uma metáfora da luta do homem solitário contra forças superiores e dificuldades imensas, mas também não foi esse o tipo de vida de Hemingway.

Já agora, um episódio relatado por Arsénio Cordeiro: num dia em que andava às voltas numa aiola, arrastado por um espadarte, o peixe levou-os na direcção de um aparelho de pescadores de Sesimbra; estes, que observavam a luta, cortaram o aparelho para evitar que o espadarte e a aiola se enrolassem. Arsénio Cordeiro, impressionado pelo gesto dos pescadores, quis indemnizá-los do prejuízo, mas estes recusaram.

Sesimbra

The old man and the sea: parte 1 - parte 2
filme animado de Alexander Petrov

J.A.A.

 
Às 25/9/08 , Anonymous Anónimo disse...

A semelhança que pode haver é a da luta do pescador com o peixe enorme. Não quiz comparar de modo algum essa ficção com qualquer pesca desportiva real que se pratique. Lembrei-me desse pequeno livro que se lê de uma assentada e falei dele aqui. Nem o homem nem o peixe eram os mesmos.
Isurus

 
Às 29/9/08 , Anonymous Anónimo disse...

Obrigado J.A.A.
vi esse filme animado de Alexander Petrov. Muito bonito, não conhecia.
Isurus

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada