ll

segunda-feira, março 17, 2008

fotografia alojada em www.flickr.com
[ blog©Sesimbra - clique para ampliar ]
Pequena horta nas Boiças da Alfarrobeira, onde as redes denunciam a proximidade do mar. As hortas urbanas têm um grande desenvolvimento em países como a França e os Estados Unidos, normalmente promovidas pelas autoridades locais, sendo procuradas como actividade lúdicas por pessoas de todas as classes sociais. Em Portugal também existem, mas estão normalmente associadas à imagem de probreza. Você, por exemplo, seria capaz de manter uma pequena horta na sua vizinhança? Que diriam os seus vizinhos se o/a vissem a plantar umas batatas na colina próxima? Trata-se de preconceitos acerca de uma actividade nobre.
Eu tenho um projecto de constituição de um grupo para dinamizar esta actividade, e já promovi uma reunião, que foi divulgada no jornal o Sesimbrense, mas sem qualquer resultado. Contudo, ainda não desisti.
Urban agriculture in the valley of Sesimbra. The nets reveal the proximity of a fishing community.
In Portugal, these urban agriculture is associated with poverty, and "normal" people will not touch a shovel. I am trying to organize a group to make urban agriculture in Sesimbra, I already called a public meeting for this purpose, but no one appeared. Anyway, I did not gave up yet.

7 Comentários:

Às 17/3/08 , Blogger aiola disse...

Conheço esta horta.
Ei!... Ei!..., tiozinho, desculpe lá, tirei um pésinho de salsa que estava na parte de baixo do seu canteiro. Obrigadinha.
Falando sério, também eu tenho uma hortinha, no meu quintal.
Nela planto sementes e produtos dados por pessoas amigas, acredito que estes produtos estejam carregados da boa energia que a amizade oferece quando é verdadeira.

 
Às 17/3/08 , Blogger Swt disse...

Até em Londres, ainda hoje, há hortas em plena cidade. O que remonta ao tempo da guerra!

 
Às 17/3/08 , Anonymous Anónimo disse...

J.A.
Afinal qual é o seu projecto??

 
Às 17/3/08 , Blogger J.A.Aldeia disse...

Reproduzo o anúncio publicado no Sesimbrense no final do ano passado: convocatória →.
Tenho algumas ideias para este projecto, bem como documentação sobre casos concretos, mas a constituir-se um grupo, o caminho a seguir seria definido no seu interior. Numa próxima data voltarei a fazer a convocatória, e em mais orgãos de comunicação (incluindo este mesmo blogue).

 
Às 17/3/08 , Blogger Isurus disse...

Também já há alguns anos estive em Londres e vi que é comum terem nas trazeiras das casas pequenas hortas. Com orgulho e sem qq preconceito. Por cá, no norte ainda são muito comuns estas hortas.

 
Às 18/3/08 , Blogger Constança Lucas disse...

quando morava na Cotovia tinha uma horta, adorava

 
Às 19/3/08 , Anonymous Anónimo disse...

Sou mulher e tenho uma maneira muito própria de viver a vida.
Cavo o meu quintal, tiro as ervas, tomo banho e vou para o escritório.
Não me importo se associam esta actividade à pobreza, sinto-me feliz por praticá-la, ajuda-me a ser saudável, a amar a terra e todas as coisas que ela me dá.
Aprende-se que também somos terra e que ela retribui a nossa dedicação.
Sou bastante feminina, gosto de camisas transparentes, rendas e mostrar as pernas,
quanto à forma de viver, cabe-nos a decisão.
Andar a pé também era visto como sinal de pobreza, hoje, é uma prática saudável o mesmo se passa com a agricultura.
Venham as hortas.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada