ll

quarta-feira, dezembro 19, 2007

fotografia alojada em www.flickr.com

O Parral é uma pequena povoação do limite nascente do concelho de Sesimbra, nas Terras de Calhariz. Localizada junto à linha de água que inicia o rio Coina, é uma das últimas paisagens naturais intactas do concelho, pois as construções mais próximas são as da Quinta do Rio. Acontece que começou a cair cinza sobre o Parral, que se julga ser proveniente da cimenteira do Outão (que não se encontra longe). A confirmar-se esta origem, trata-se de mais um grave problema com origem no malfadado processo de incineração de resíduos, e uma ameaça para um dos mais importantes corredores ecológicos do concelho de Sesimbra, bem como para o turismo rural da Quinta do Rio.

Google Earth - coordenadas do Parral: 38 29 00.66 N 9 02 36.75 W
coordenadas da Quinta do Rio: 38 29 26.18 N 9 03 16.17 W

Parral, a small rural village near the spring of Coina rivulet, and an important ecological corridor, is being threatened by falling ashes, coming from the burning of industrial waste in a nearby cement plant — a very controversial project.

7 Comentários:

Às 20/12/07 , Anonymous Anónimo disse...

Caro J.A.,

É capaz de confirmar esta proveniência das cinzas? Tem a certeza de que são originadas pela co-incineração do Outão? A mim deixa-me imensas dúvidas ... é que a co-incineração nas cimenteiras é rigorosamente controlada do ponto de vista ambiental, com sistemas de retenção de poeiras (cinzas) e análises sistemáticas às emissões produzidas. Por isso me surpreende que as ditas cinzas que caiem no Parral tenham essa origem ...

A confirmar-se, claro está, é gravíssimo! Mas a não confirmar-se, é imprudente, no mínimo, lançar essa suspeita.

 
Às 20/12/07 , Blogger J.A. disse...

Conforme se depreende do texto, não há a certeza sobre a origem das cinzas: foram fortes suspeitas que nos foram transmitidas por alguém que lá reside.

 
Às 20/12/07 , Anonymous Anónimo disse...

Vindas da Secil e da co-incineração, esta é a metáfora oportuna: será isto o início das cinzas do primeiro-ministro Sócrates?

 
Às 21/12/07 , Anonymous Anónimo disse...

" ... fortes suspeitas que nos foram transmitidas por alguém que lá reside."?? A isto chama-se especular!
Não há, pelos vistos, qualquer evidência de que as cinzas venham do Outão. A não ser, claro, as "fortes suspeitas". Penso que devería haver mais cuidado no transmitir destes boatos. Para bem de todos, pois com estes assuntos, julgo que não se devem brincar ...

 
Às 21/12/07 , Blogger J.A. disse...

Caro comentador: fui ali a um dicionário online e encontrei estes significados para "especular":

→ ver, olhar atentamente, vigiar;
→ observar;
→ inquirir;
→ estudar;
→ meditar sobre qualquer matéria e fazer dela estudo teórico;
→ meter-se em negócios com a mira de lucros exagerados;
→ traficar;
→ agenciar;
→ tirar proveito, abusando da boa fé ou da credulidade de outrem;

Acaso foi em algum destes sentidos que usou o referido verbo?

Quanto ao texto publicado, admito que dramatiza exageradamente as possíveis consequências de algo que até pode ser apenas pontual. No entanto, a informação e a suspeita de que tem origem na cimenteira não me parecem desadequadas.

 
Às 21/12/07 , Anonymous Anónimo disse...

Estou de tal maneira arrasado com a sua resposta que fiquei sem palavras ...
No entanto, o essencial, é como o Sr diz: "dramatiza exageradamente" um assunto que devemos tratar com seriedade. E não me parece que seja isso que está a fazer ao passar estas "notícias"

Já agora, fui ali ao seu dicionário e descobri:
"especulação":
- acto de especular;
- estudo;
- investigação teórica, puramente racional;
- transacção em que uma das partes abusa da boa-fé da outra;
- exploração, burla;
- compra em larga escala de mercadorias com o objectivo de as revender mais tarde com um lucro resultante da variação das cotações.

Julgo que foi com um destes sentidos que utilizei o dito verbo ...

 
Às 22/12/07 , Anonymous Anónimo disse...

Eu cá acho que estas notícias abusam da credulidade dos outros ...

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada