ll

quinta-feira, setembro 20, 2007

fotografia alojada em www.flickr.com
[ clique para ampliar ]

     Planta da Vila de Sesimbra, do período entre 1568 e 1570, com desenho de ruas e quarteirões, e estudo para a construção de um grande forte envolvendo a vila. Este forte nunca foi construído, tendo-se optado por uma pequena muralha ao longo da praia, da qual já não existem hoje vestígios. A Fortaleza de S. Tiago só viria a ser construída cem anos depois, em 1648.
     É bastante visível a principal via de entrada na vila, hoje Ruas Ramada Curto/Cândido dos Reis, à qual se encostava a Capela de S. Sebastião. O traçado das actuais ruas Joaquim M. Pólvora (R. do Forno), Eça de Queiroz, da Caridade, da Esperança, da Fé e Largo Infante D. Henrique (da Torrinha), já ali estavam bem desenhados, bem como a actual Rua da República. Também estão claramente assinalados dois rios, um correndo desde o grande vale de Sesimbra (actualmente sob a Av. da Liberdade) e outro correndo no vale a nascente deste (actualmente sob a zona da Rua Amélia Frade). Curiosamente, a planta sugere que já nesta altura se encontravam encanados sob algumas das casas, até confluírem, de novo a céu aberto, no actual Largo de Bombaldes e correndo depois pela praia até ao mar.
     Outro aspecto interessante revelado pela planta é que a zona onde foi depois construída a Fortaleza estava, pelo menos em parte, ocupada com edificações.
     Um aspecto curioso deste projecto é que tinha uma zona mais fortificada a nascente, uma "cidadela" destinada à guarnição e governo militar, separada e defendida do resto da vila por muralhas e um fosso (cidadela cujo extremo nordeste ficaria sobre o Calvário). Tratava-se, afinal, de uma filosofia idêntica à do castelo medieval, onde existia a alcáçova, destinada à elite, melhor defendida do que o resto da povoação, embora esta também estivesse protegida por muralhas (a denominada "cerca"). A ideia é sempre a mesma: o conjunto fortificado destinava-se à defesa contra agressores externos, mas a alcáçova e a cidadela destinavam-se à defesa da elite contra o povo da terra, que de vez em quando também se revoltava.
     O original desta planta encontra-se na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, e deve ter ido parar ao Brasil quando a corte para ali se mudou em retirada estratégica face às invasões napoleónicas. Uma análise da planta e do seu contexto histórico foi feita por Rafael Moreira e encontra-se publicada no livro "Sesimbra Monumental e Artística", que pode ser consultado na Biblioteca de Sesimbra (página 188).

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada