ll

segunda-feira, agosto 06, 2007

fotografia alojada em www.flickr.com
[ blog©Sesimbra - clique para ampliar ]

     "Vale Paraíso" é o nome pelo qual sempre conheci este vale que se abre no sopé da colina do castelo e desce até ao Largo Almirante Gago Coutinho. Como os meus primos moravam no Bairro dos Bombeiros, uma das nossas linhas de incursão táctica fazia-se pelos terrenos atrás do cemitério ("Chico 18") e pela encosta nascente deste vale, mas sem descer muito até à zona habitada, por deferência para com as seitas das terras baixas. Era-nos mais fácil a progressão pelos terrenos na parte superior do vale, até à fábrica de pirolitos do Proença e na extensão da vinha do Jacob, magnífica atalaia mas muito bem guardada pelo proprietário (aconteceu-me lá o mesmo que ao Fernão Veloso dos Lusíadas...)
fotografia alojada em www.flickr.com     Actualmente a relação de forças no terreno parece ser outra. Não se vê por ali miúdos — suponho que estejam em recruta nos simuladores virtuais dos respectivos computadores. Com este recuo táctico dos "rapazes pequenos" o terreno ficou relativamente seguro para campanhas de ocupação de seitas de fora, as quais, mal ali chegam, fortificam rijamente o terreno. Neste momento, por exemplo, a parte baixa do vale já se encontra coberta pela Rua Major Joaquim Preto Chagas e ladeada por edificações. Aqui mesmo está a surgir um grande bloco de apartamentos, promovido por alguém que associa a palavra Oásis ao santo João — talvez inspirado no nome da pequena elevação vizinha conhecida como "altinho de S. João". E tal como fazem amiúde os ocupantes alienígenas, renomearam o local, mas como "Vale das Amendoeiras".

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada