ll

domingo, junho 24, 2007

fotografia alojada em www.flickr.com
[ clique para ampliar ]
Castelo de Sesimbra em ruínas, antes da recuperação de 1936/1941 (*).

     Na passada sexta-feira, 22 de Junho, o arqueólogo Luís Ferreira fez uma excelente palestra, incluída no ciclo das Conversas na Capela do Espírito Santo dos Mareantes. A qualidade da comunicação deve-se sem dúvida ao facto de a mesma se apoiar na investigação académica desenvolvida pelo arqueólogo, "Da Pedra ao Acorde", mas também ao trabalho efectivo realizado na Câmara Municipal de Sesimbra. Mesmo para aqueles que acompanham mais atentamente a vida cultural de Sesimbra, a conferência esteve recheada de novidades, tais como as recentes descobertas relativas à Sesimbra medieval, as quais permitem estabelecer uma cronologia para a sua evolução (ao invés do que muitos pensam, o castelo não foi logo de origem construído com o aspecto que tem hoje) bem como delinear já com alguma precisão a organização da vila no interior da cerca medieval.
     Foi interessante saber que Sesimbra é o único castelo medieval português junto à costa marítima, já que os outros foram transformados em fortalezas por imposição das novas tecnologias militares. Também interessante é o enredo (ainda por esclarecer) da construção da torre sul, que pode ter sido justificada pela necessidade de comunicação visual com o Forte de S. Teodósio. Outra hipótese interessante adiantada por Luís Ferreira é a de ter havido uma divisão territorial, no concelho de Sesimbra, entre as comunidades árabes e as cristãs, tendo o castelo como referência. Esta hipótese apoia-se no facto muitos topónimos a poente do concelho terem origem árabe, ao contrário do que acontece a nascente, e também em aspectos construtivos das muralhas da cerca sesimbrense.
     Parte da comunicação, igualmente de muito interesse, foi dedicada a expor um modelo de gestão para o património cultural, exemplificada com o apoio de dados estatísticos relativos aos investimentos e ao uso do referido monumento.
     Luís Ferreira ainda falou de algumas novidades arqueológicas relativas à vila ribeirinha e detalhou a recente notícia da descoberta de "cetárias" do período romano junto à fortaleza de Santiago, que passam a constituir o documento mais antigo da ocupação da actual vila no período histórico. Estas cetárias, que se encontram em grande quantidade em Setúbal e Tróia, destinavam-se ao fabrico de compostos alimentares a partir de peixe, nomeadamente o garum, iguaria muito apreciada em Roma.
     A qualidade desta reflexão ajuda certamente a compreender a valia dos investimentos e das actividades desenvolvidas no castelo ao longo dos últimos anos, mas mostra igualmente que há ainda imenso a fazer para que os sesimbrenses (de todo o concelho) conheçam melhor a História da sua terra, da qual justamente se podem orgulhar.
     Espera-se, entretanto, que seja resolvido o paradoxo criado ao Centro de Documentação Rafael Monteiro, hoje mais usado como posto de informação turística. Rafael Monteiro, o último residente no castelo de Sesimbra, foi pioneiro na recuperação da memória histórica para a afirmação da identidade Sesimbrense, actividade que desenvolveu com grande amor, embora também com grandes dificuldades. Certamente que os sesimbrenses saberão continuar a homenagear a sua memória.


(*) «A carripana vai descendo para Sesimbra pela estrada em torcicolos, entre dois montes que se abrem, um com moinhos velhos afadigados lá no alto, outro com o castelo em ruínas como um queixal cariado.» - Raul Brandão, "Os Pescadores" (1923)

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada