ll

segunda-feira, maio 21, 2007

"Cutty Sark" ou "Camisola Pequenina"

     O Cutty Sark foi consumido pelo fogo esta madrugada. Este famoso veleiro com 64,6 metros de comprimento foi construído na Escócia em 1869. Os seus primeiros anos de vida foram passados na denominada "rota do chá" entre a China e a Europa, participando na verdadeira regata que existia entre os barcos daquela carreira. Ficaram famosos os seus despiques com o veleiro Thermopylae (que se encontra afundado na baía de Cascais). O Cutty Sark fez a sua última viagem nesta carreira em 1877, pois a abertura do Canal de Suez cedera a vantagem aos navios a vapor.
     Os anos seguintes foram passados a transportar cargas diversas. Em 1895 foi vendido a Portugal, onde foi rebaptizado como "Ferreira" - embora as tripulações preferissem chamar-lhe "Camisola Pequenina", que é a tradução literal de "cutty sark". Durante as três décadas seguintes fez transportes regulares entre o Porto, Nova Orleans e Lisboa, ao serviço das possessões coloniais portuguesas. Em 1920 foi vendido a outra companhia portuguesa e rebaptizado como "Maria do Amparo".
     Em 1922 foi a Inglaterra para reparações. Aí chamou a atenção do Capitão Wilfred Dowman, um marinheiro da Cornualha que, como grumete em 1894, o tinha visto rasgar os mares a todo o pano, uma impressionante imagem que ele nunca mais esquecera. Estava em tão mau estado que o Capitão Dowman conseguiu adquiri-lo aos proprietários portugueses por bom preço, após o que o restaurou, passando a ser utilizado como navio-escola. Em 1954 foi levado para uma doca especialmente construída em Greenwich, Londres, onde tem estado disponível para visitas do público. Desde Novembro passado, no entanto, estava fechado e a ser submetido a uma grande restauração.

Veja o video do fogo na Sky news »». Página oficial: »»».

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada