ll

terça-feira, agosto 01, 2006

Pesca do Espadarte em Sesimbra


[ clique para ampliar ]

«O nosso país, mais concretamente Sesimbra, tomou-se nas décadas de 50 e 60 do século passado, no maior e mais conhecido centro mundial da pesca desportiva do espadarte. Todos os anos e durante a estação de pesca, deslocavam-se a Sesimbra os maiores e mais conhecidos nomes da pesca desportiva mundial daquela época, com o exclusivo intuito de capturarem aquilo que é denominado entre os pescadores desportivos de pesca grossa como o grande gladiador oceânico, o sonho de qualquer pescador desportivo. Era o único lugar no mundo onde a captura daquela espécie era conseguido durante o dia, pois em todos os outros locais, tal como hoje em dia acontece, a pesca do espadarte só muito esporadicamente tinha êxito durante o período diurno.

«Esta modalidade de pesca desportiva teve naquela vila e naquele tempo um indiscutível impacto turí­stico e económico. A explicação para o facto da captura daquela espécie durante o período diurno, era fácil. Nos fundões a sul de Sesimbra, ocorriam grandes concentrações de xaputa, espécie que faz parte preferencial da dieta alimentar dos espadartes. Conhecedores deste facto, os pioneiros da pesca grossa desportiva daquele tempo, nomeadamente o Professor Doutor Arsénio Cordeiro e o conhecido realizador de cinema Jorge Brun do Canto, idealizaram um processo de capturarem os espadartes durante o dia.


Recorde de A. Villas Boas - 1958 [clique]

«Instalaram em pequenas aiolas - barcos tradicionais de pesca a remos, daquela vila piscatória - cadeiras de combate, indispensáveis para combater aqueles peixes com mais de cem quilos de peso, com cana e carreto e iam buscar xaputas vivas às embarcações profissionais de pesca de anzol, com as quais iscavam os seus anzóis. O êxito foi imediato e a captura dos espadartes passou a ser vulgar, acrescida de um aspecto invulgar em todo o mundo: era normal o mesmo pescador conseguir, no mesmo dia, a captura de dois exemplares, por vezes três, com pesos sempre superiores a cem quilos.

«Sesimbra passou rapidamente para a ribalta mundial da pesca desportiva de peixe grosso, tornou-se a "Meca" da pesca desportiva do espadarte. Mas a partir dos finais da década de 60, deixaram de se capturar espadartes em moldes desportivos. A xaputa, por razões ambientais e de sobrepesca por parte da frota comercial, desapareceu daqueles mares. Em termos desportivos, com excepção de um pequeno espadarte capturado o ano passado em Tavira e que foi devolvido vivo ao mar, nunca mais se conseguiu qualquer resultado positivo. As xaputas voltaram agora a aparecer em Sesimbra. Ensaiaram-se novamente os processos de captura em moldes desportivos e hoje com processos muito mais sofisticados. Resultados até agora: zero. Porquê? Os espadartes tão abundantes naqueles mares, praticamente desapareceram. Porquê?.»


in "A Pesca Desportiva como Factor de Desenvolvimento", 2004

4 Comentários:

Às 1/8/06 , Anonymous Pedro disse...

Boas!

Vi o teu blog e peço-te que me ajudes, caso possas.
Vou para a zona de Sesimbra daqui a 2 dias mas não conheço nada. Não queres dizer-me qual o melhor campismo, praia e discoteca pa frequentar?
Obrigado e desculpa.
Abraço

 
Às 2/8/06 , Blogger J.A. disse...

Há um parque de campismo na zona do porto; e uma discoteca no centro da vila: a Bolina. Toda a praia é excelente, embora tenha estado melhor da parte da manhã, pois de tarde tem feito algum vento. Boas férias!

 
Às 2/8/06 , Anonymous Pedro disse...

Valeu!
Obrigado e um abraço

 
Às 12/1/08 , Blogger José disse...

J.A.Aldeia, Parabéns!: o seu trabalho mostra «um bocadinho» a pesca desportiva ao Espadarte nos mares de Sesimbra.
Na foto mostrando a pesca numa «aiola» estão o maravilhoso remador "Mil-Homens" (um Rato) e um dos filhos do Prof. Dr. Arsénio Cordeiro (tinha 15 anos e lutava pelo seu 1º espadarte...).
Se quiser mais fotos, pode contactar o tlm: 919224898
Um abraço.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada