ll

quarta-feira, julho 19, 2006

Gulbenkian: 50 anos

O ritual da chegada da biblioteca itinerante da Gulbenkian ao Largo da Marinha constitui uma das minhas melhores recordações de infância. A espera na pequena fila de leitores, o atendimento por ordem e, finalmente, a correria para casa para devorar as imagens e textos, tudo isso constitui uma agradável memória.


Boletim Informativo


Eu ficava em estado de graça e adormecia com os livros debaixo do longo travesseiro da largura da cama. Mais tarde, também com o apoio da Gulbenkian, a Biblioteca foi instalada na Capela do Espírito Santo, outro espaço de gratas recordações.

As bibliotecas itinerantes da Gulbenkian, nas suas carrinhas Citroën HY de chapa ondulada, foram criadas em 1958, aproveitando uma ideia do escritor Branquinho da Fonseca, que foi também o primeiro director do serviço de Bibliotecas da Fundação Calouste Gulbenkian. A Fundação emprestou aos portugueses 97 milhões de livros e as carrinhas, cujo serviço terminou em 2002, levaram livros a 29 milhões de leitores.

Durante o ensino secundário beneficiei de bolsas da Fundação. Quando fui para a universidade tornei-me razoável frequentador de exposições e concertos e estudei muitos dias e muitas horas nos seus belos jardins. Significativamente, a tranquilidade daquele oásis era muitas vezes perturbada pelos sons da carreira de tiro do adjacente quartel do Governo Militar de Lisboa - um sinal dos tempos de guerra que então se viviam.

Tem sido imensa a contribuição da Fundação Calouste Gulbenkian para o país. Os meus agradecimentos e os meus parabéns pelos 50 anos acabados de comemorar pela Gulbenkian.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada