ll

quinta-feira, abril 13, 2006

Posição e contradição

Os estudos de natureza estatística constituem uma das fontes a que a nossa sociedade recorre para a caracterização e avaliação da nossa própria situação e percurso. Em boa verdade, nenhum destes estudos pode caracterizar de forma completa a nossa vida, seja em aspectos mais facilmente quantificáveis (tais como o rendimento ou os escalões etários) seja em domínios mais difíceis de medir (tais como o estado de saúde ou os níveis de conhecimentos adquiridos). Mas podem-nos ajudar a fazer o nosso "retrato".

Apesar dos cuidados que é necessário ter no uso destes estudos, evitando retirar deles conclusões definitivas, vê-se com frequência - nomeadamente na blogosfera - citar-se determinados estudos estatísticos como prova de que "o país está cada vez pior", ou de que "estamos na cauda da Europa", ou de que "o concelho não se desenvolve", etc. Por outro lado, se os estudos apontam numa direcção que não coincide com as ideias dominantes, então são menosprezados, desvalorizados ou, simplesmente, ignorados.

Há poucos dias a Marktest, uma das empresas mais conceituadas na realização deste tipo de estudos, divulgou dados relativos ao poder de compra concelhio, que salientavam cinco concelhos "campeões" onde esse poder de compra mais tinha subido de 1992 para 2006:

 Concelhos  Variação
1992-2006
 
 Oeiras4,5 %
 Alcochete   4,3 %
 Albufeira3,9 %
 Palmela3,7 %
 Sesimbra3,0 %

Não é de estranhar que os concelhos melhor colocados nesta estatística sejam da Área Metropolitana de Lisboa, pois é aqui que se concentra a maior parte da riqueza criada no país. Mas muitas pessoas certamente estranharam que três dos cinco concelhos referidos sejam da Península de Setúbal, a qual, habitualmente, é referida como sendo das regiões que apresentam maiores problemas, nomeadamente de desemprego e rendimento.

Quando os dados estatísticos não comprovam as nossas ideias, o que se deve fazer? O normal seria mudar as ideias em função dos dados. Mas muita gente prefere ignorar ou desvalorizar tais informações.

Nuno AlvesJá em 2003 um outro estudo, da autoria de João Ferrão, avaliava as dinâmicas territoriais e as trajectórias de desenvolvimento, em Portugal, entre 1991 e 2001. Com base nos dados dos Censos de 2001, este investigador fez a classificação do território nacional em três classes:

  • país sob alta pressão, onde ocorrem muitas mudanças e onde, por isso, são excessivas tanto as oportunidades como as ameaças;
  • país sonolento, onde pouco ou nada acontece, estando despovoado e envelhecido;
  • país tranquilo, onde as evoluções recentes foram relativamente moderadas.

    Ora Sesimbra, nesta classificação, situava-se claramente no "país tranquilo", onde se verifica desenvolvimento mas sem o exagero e a intensidade das ameaças que espreitam as zonas de crescimento rápido (este documento pode ser consultado aqui).

    No blogue Abrupto, José Pacheco Pereira enunciou recentemente "10 leis sobre debates na blogosfera", a primeira das quais era: "Evitar discutir a Posição, procurar atacar a Contradição". Esta lei é precisamente comprovada pelo posicionamento ambíguo da blogosfera relativamente aos estudos que não "comprovam" as ideias concebidas de cada um: são ignorados ou, então, desvalorizados, contrapondo-se-lhe "evidências" que apontam em sentido oposto, etc. Pelo contrário, se um dado estudo parece confirmar as ideias pre-concebidas, então exagera-se na respectiva divulgação e nas "lições" que se podem dali retirar, etc.

    Tal como referi no início, estes estudos estatísticos não constituem indicadores absolutos do que se passa na realidade. No entanto, alguma coisa indicam. Quanto às "evidências" com que cada um pensa caracterizar essa realidade - classificando em termos absolutos o país e as pessoas como "incultos", "perdidos", "irresponsáveis", "subdesenvolvidos" - provavelmente valem ainda menos.

    Adenda:
    Já depois de escrever esta entrada descobri, através do Ponto Média, o artigo "Do we need a public understanding of statistics?":

    «As estatísticas penetram em todos os aspectos da vida - desde a educação, trabalho, media e saúde, até à cidadania. Por exemplo: muitas reportagens dos média incluem referências estatísticas sobre saúde, tendências sociais e demográficas, educação e economia. Este uso alargado das estatísticas coloca um problema, já que a estatística constitui uma disciplina difícil, associada a mal-entendidos que minam a confiança e conduzem à suspeita. A literacia científica dos cidadãos cobre as estatísticas de modo insuficiente, tanto em termos teóricos como empíricos. (...)»

    Fabienne Crettaz von Roten
    in "Public Understanding of Science"

  • 0 Comentários:

    Enviar um comentário

    Subscrever Enviar comentários [Atom]

    << Página inicial

    Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


    Canoa da Picada