ll

terça-feira, abril 11, 2006

João Vasco

João vasco
 João Vasco

Tal como o Pedro, também gostei muito de assistir à represenção das peças de Gil Vicente, "Monólogo do Vaqueiro" e "Auto da Índia", por alunos finalistas da Escola de Teatro de Cascais, no átrio da Biblioteca.

João Vasco fez uma emocionada apresentação dos seus alunos e aproveitou para referir a grande qualidade do livro "Bonecas Russas", de António Cagica Rapaz, que ele lera recentemente.


"Cerimonial para um Combate" nos Bombeiros de Sesimbra, a 'preços populares' [clique]

O actor encontra-se muito ligado a Sesimbra, terra onde nasceu. A seguir ao 25 de Abril, João Vasco e o TEC apresentaram aqui diversas peças, em colaboração com a Associação Sesimbrense de Cultura Popular. Entre essas peças contaram-se "Fuenteovejuna" (de Lope de Vega, que o TEC estreara em Portugal em 1973) e "Cerimonial para um Combate" (de Claude Prin, estreada em 1975). Estas peças tinham encenação de Carlos Avilez.

João Vasco foi morar para Cascais com a família, aos 5 anos. Começou a representar quando ainda era aluno da Escola Marquês de Pombal. Tirou depois o Curso de Teatro do Conservatório Nacional, ao mesmo tempo que foi trabalhando no Teatro do Gerifalto, na Companhia de Orlando Vitorino, no Teatro Popular de Lisboa. Ainda estava no último ano do Conservatório quando foi convidado por Amélia Rey-Colaço para o Teatro Nacional.

No final do curso integrou o grupo que viria a dar origem ao Teatro Experimental de Cascais, com Carlos Avilez, Maria do Céu Guerra, Zita Duarte, Manuel Cavaco, Carlos Paredes e outros jovens artistas. Na sua longa carreira criou personagens memoráveis, tais como Galileu Galilei, a Nonna e Rei Lear. Aqueles que não o viram no teatro talvez se recordem dele na peça "A Maluquinha de Arroios", que o TEC levou à cena em 1966, mas que passou na televisão mais recentemente. João Vasco dirige actualmente, juntamente com Carlos Avilez (que também esteve no espectáculo da biblioteca), o Teatro Experimental de Cascais.

Notas:
Do elenco de "Cerimonial para um Combate" faziam parte João Vasco, Lígia Teles, Isabel de Castro, Marília Gama, Santos Manuel, Maria Albergaria, António Marques, António Feio e Fernando Gomes. No programa desta peça (veja-se a imagem de cima) podia ler-se, numa linguagem típica do PREC: "Colhamos os ensinamentos da Comuna de Paris e não deixemos a burguesia esmagar os nosso ideais perante a ameaça das suas armas e do seu poder económico".

Lembro-me, a propósito, de uma cena passada com Amândio Rodrigues, pescador e antigo membro dos Galés, num destes espectáculos, no salão dos Bombeiros, onde o TEC sempre representava.

No intervalo vi passar o senhor Amândio com ar de quem se ia embora. Estranhei, pois via-se que a peça estava a ser do agrado da assistência, e perguntei-lhe. "Eu, ir-me embora?" - retorquiu-me - "Então eu deixava lá a minha felicidade?"

E era verdade. Passado algum tempo, lá voltou para junto da sua Felicidade - que era o nome da mulher...

3 Comentários:

Às 17/4/06 , Blogger António Cagica Rapaz disse...

O meu pai foi padrinho do João Vasco. Mas só nos conhecemos na idade adulta.
É um grande actor e um homem invulgar, generoso, leal, altruísta, cheio de ideais e de convicções.

E desassombrado. Talvez por isso, sem eu esperar, fez aquela pequena rábula sobre as minhas "Bonecas Russas", por amizade e, talvez, para dizer que não devemos ter acanhamento em manifestar as nossas opiniões.

Obrigado, João, pelo espaço e pelo destaque aqui concedidos ao nosso João... Vasco.

 
Às 17/4/06 , Blogger J.A. disse...

Tenho a certeza de que a referência elogiosa de João Vasco ao seu livro foi muito sincera e muito sentida, pois, como sabe, para além de o ter referido a todo o público que fora assistir ao teatro, e já em conversa mais restrita, colocou grande ênfase naquilo que mais o impressionara na leitura d'As Bonecas Russas, tendo comparado o livro com o romance "Afirma Pereira de António Trabucchi.

Foi uma tarde memorável. Relembrando os tempos em que o Teatro Experimental de Cascais vinha a Sesimbra, poder-se-ia dizer que foi uma tarde digna do tempo "em que os Vascos eram Joões", com a vantagem de este nosso Vasco o continuar a ser.

Creio, aliás, que haverá outras iniciativas culturais em Sesimbra a envolver este nosso conterrâneo. Seria muito bom, por exemplo, se o auditório do "João Mota" fosse estreado pelo João Vasco, como é aventado na entrevista que o actor deu ao Jornal de Sesimbra. Oxalá.

 
Às 20/4/06 , Blogger António Cagica Rapaz disse...

Boa entrevista, aliás, coisa que vai sendo rara.
Numa linha de afirmação que se vem notando no Jornal de Sesimbra.
Digo-o sem qualquer intenção suspeita, apenas porque o penso.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada