ll

sexta-feira, março 24, 2006

Mar da Babilónia


Não gosto do edifício que pomposamente se auto-designou "Mar da Califórnia" (à semelhança das ruas, estas designações talvez devessem ter controlo público), mas também não me parece que o mar o vá engolir, como alguns anunciam. Relativamente à linha de maré, encontra-se até mais recuado do que o resto da vila.

Mas aquela obra, na minha opinião, foi um grande erro, por outras razões, que nunca vi referidas (o que há-de ter o seu significado). Por um lado, é mais um passo de gigante na transformação da vila num "mega" aldeamento turístico.

Por outro lado, a sua construção impediu a obra que ali deveria ter sido feita: o prolongamento da marginal até à fonte da Califórnia. Poderia até admitir-se alguma construção junto a essa marginal, mas ali deveria ter sido construído, essencialmente, espaço público, dotado de equipamentos públicos associados à fruição da praia, do mar e da paisagem.

Se contra-argumentarem que não havia verba (pública) para isso, então teremos de concluir que se privatizou potencial espaço público a troco de verba. Dir-se-ia que "no princípio era a verba". Resta saber como será no fim.


Notas:
  • Este texto, com pequenas modificações, foi escrito recentemente como comentário a uma entrada do blogue 'Sesimbra e Ventos'.

  • A imagem de cima, detalhe da fotografia promocional que aparece na página do Sesimbra Hotel & Spa, configura uma distorção propagandística da realidade, fazendo sobressair uma construção babilónica, que ainda não existe tal como é apresentada, tranformando-se o resto da vila num halo enevoado de glorificação ao monstro. A imagem original pode ser vista aqui.

  • 8 Comentários:

    Às 24/3/06 , Anonymous Anónimo disse...

    ...e Ela não voltou!

     
    Às 24/3/06 , Anonymous Anónimo disse...

    Quem tem.. tem medo!!

     
    Às 25/3/06 , Anonymous João Vila disse...

    Cagalhão.

     
    Às 25/3/06 , Blogger J.A. disse...

    Quem? O edifício? Não acho que seja assim tão feio...

     
    Às 26/3/06 , Anonymous Anónimo disse...

    e horrivel, kmo é q alguem deixou construir akele mamarraxo ali...deviam ter vergonha

     
    Às 26/3/06 , Anonymous Anónimo disse...

    Anónimo da 1:14 pm

    Também não gosto muito do Mar da Califórnia. Mas estou em crer que ele não fez tanto mal à paisagem quanto o meu amigo acabou de fazer à língua portuguesa...

    Não é capaz de escrever isso no nosso idioma, caramba?

     
    Às 28/3/06 , Blogger sapo disse...

    Pois a mim, pessoalmente, não me desagrada nada. Sim é um bocado "modernice" mas se comparado por exemplo com os verdadeiros "mamarraxos que se encontram na encosta (como por exemplo, a famosa "caixa registadora") até não é nada mau! Eu por mim, demolia a garande maioria dos edificios de sesimbra... Quem como eu se lembra de Sesimbra há 20 anos atrás, com certeza apoia a minha ideia!

     
    Às 28/3/06 , Blogger J.A. disse...

    Os prédios da falésia são certamente mais feios, mas não datam de há 20 anos: são quase todos anteriores ao 25 de Abril de 1974.

    Os problemas do prédio Mar da Califórnia não são provocados pela sua arquitectura, mas sim pelo facto de estar localizado sobre a praia, ocupando uma área que poderia ter tido melhor uso como espaço público, e também devido aos conflitos de trânsito que provoca na zona nascente da vila.

    Teve, por outro lado, a vantagem de criar estacionamento público, permitindo o arranjo da marginal nascente com diminuição de automóveis e aumento do espaço para pedestres. Também virá criar uma quantidade razoável de postos de trabalho. Resta fazer o balanço entre os aspectos positivos e os negativos.

     

    Enviar um comentário

    Subscrever Enviar comentários [Atom]

    << Página inicial

    Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


    Canoa da Picada