ll

quinta-feira, março 23, 2006

Kazmer Féjer



Escultor. Nasceu em Pecs, Hungria, em 1923
Faleceu em Sesimbra, em 1989

Kazmer Féjer rompeu com a escultura tradicional ao abandonar o conceito de volume. A obra é percebida pela relação entre os cheios e vazios no espaço. As suas construções são marcadas pelos materiais utilizados - acrílicos -, difusores de luz pela sua transparência, e também pela estrutura erguida, que congela a instabilidade dos planos entreabertos e suspensos no ar.

Escultura em cristal, 1958A sua formação começou em Budapeste, onde estudou química industrial, ao mesmo tempo em que cursava a Academia de Belas-Artes. Fez pintura não-figurativa, cada vez mais geométrica, até atingir mais tarde o tridimensional. Após este período, foi para Montevidéu, no Uruguai, onde viveu um ano e meio.
Por intermédio do Art Club, conheceu Waldemar Cordeiro, que o convidou a expor em São Paulo, em 1949. Em 1951, Féjer expôs na I Bienal de São Paulo. Um mês depois, co-fundou o Grupo Ruptura, de arte concreta, com o qual se reunia regularmente para discutir novas questões artísticas. Trabalhou também como químico industrial em cerâmica e material plástico. Mudou-se para Paris em 1970, onde trabalhou em indústria de tintas. Na década de 1980 transferiu-se para Portugal, onde organizou uma empresa de extração de produtos do mar.
(Adaptado de Ruptura)

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada