ll

sexta-feira, março 17, 2006


[ clique para ampliar ]
Rua D. Afonso Henriques, vista do Largo do Calvário.
Uma teia de fios de electricidade de uma puxada para um edifício em construção, à esquerda, parece querer armadilhar a rua.

2 Comentários:

Às 22/3/06 , Blogger António Cagica Rapaz disse...

Esta praga dos fios eléctricos não ocorre apenas aquando de obras em prédios.
Toda a vila está cheia destas teias de aranha negra. E não é só a Cabo-visão, com certeza.
Não caberá à Câmara velar pela estética da vila, contrariando a EDP que faz tudo para gastar pouco?

 
Às 22/3/06 , Blogger J.A. disse...

Eu creio que sim, que a Câmara deve verificar tudo o que diz respeito a obras deste tipo. Além das questões estéticas haverá também questões de segurança.

Mas impressiona-me que haja indivíduos que façam estes "arranjos" sem qualquer preocupação de fazer os bem feitos, tendo orgulho nisso, independentemente de ser obrigatório ou de haver fiscalização. Por isso é que frequentemente pergunto, e não é para chatear: será que lá em suas casas, as pessoas são igualmente displicentes e manifestam o mesmo mau gosto?

Vejo por vezes remates nas calçadas, ou em paredes, muros, etc, na sequência de obras de reparação, muito mal feitos, sem preocupação de usar materiais, ou cores, ou acabamentos que não destoem do resto.

Diz-se que as pessoas se esmeram mais quando sabem que o seu trabalho vai ser observado por outros, seja por vaidade ou apenas para que não sejam criticadas; ora estes casos, na via pública, vão ser vistos por muitas outras pessoas. Custa-me a compreender.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada