ll

quinta-feira, março 02, 2006



(...)
Eu sei barquinha
que o que és na realidade
é um abraço de saudade
das gentes de Portugal

És linda
Senhora de Aparecida
pequena jóia mais querida
mas imensa de emoções

Tão bela
com o vento que sopra nas velas
desta Sesimbra singela
leva os nossos corações.
Música de Reinaldo Nunes,
interpretada pelos "Nova Galé", dedicada à
barca Nossa Senhora da Aparecida

4 Comentários:

Às 2/3/06 , Anonymous Anónimo disse...

Como sesimbrense devo dizer que sinto orgulho na "nossa Barca" que muitas vezes contemplei, e que me levava a pensar na aventura que a viagem representava. Assisti com muito prazer á sua saída, e , confesso, que ainda hoje, quando percorro o pontão e olho o sitío que serviu de ancoradouro na marina do clube naval, sinto alguma nostalgia por saber que a Nossa Srª da Aparecida não mais voltará ao ponto de partida.
Foi com satisfação que acabei de saber através deste blog , cuja pontualidade da notícia se saúda, que esta longa etapa terminou ontem com sucesso.
Parabéns aos navegadores pela coragem demonstrada, e , também á Nova Galé e ao Reinaldo pela composição excelente da música dedicada á Barca Nossa Srª da Aparecida.

 
Às 3/3/06 , Anonymous Anónimo disse...

Muito bem.
Esta é uma notícia que faz bem a Sesimbra.

 
Às 3/3/06 , Anonymous Urban@ disse...

Volto a insistir na medalha!O Sr. João devia propor à Câmara. E Já agora...onde está a notícia do feito na televisão?? Ah, é verdade com os guiness de qualquer coisa, tipo bolos rei e coisas do género. Lamentavel. Devia ser transmitido em directo.

 
Às 3/3/06 , Blogger J.A. disse...

Bem, Urban@, a proposta já está feita: foi você que a fez. E eu apoio, claro. E até acrescentei uma outra proposta: que se tente que a barca volte para Sesimbra. Não sei se isso é fácil, mas sempre se pode tentar.

Mas, tal como já escrevi noutra entrada, e muito bem como salienta, este feito vai provavelmente diluir-se no ruído geral, entre a desatenção de uns e a sobranceria de outros.

Não se deve menosprezar a coragem revelada pelos participantes nesta viagem. A barca de Sesimbra, ainda que descenda de barcos que participaram nas Descobertas, não é apropriada para longas viagens oceânicas. Mesmo próximo da nossa costa, basta a normal ondulação oceânica de um dia calmo para nos fazer sentir muito pequeninos, dentro de uma embarcação como a Nossa Senhora da Aparecida. É certo que a barca ia equipada com modernos equipamentos de navegação e de socorro, mas há sempre um risco grande nestas viagens, particularmente por se atravessarem zonas onde se podem levantar temporais súbitos e imprevisíveis.

Mas, mesmo assim, creio que a importância da viagem reside mais no seu valor simbólico, fazendo lembrar o papel que a navegação de pesca e comercial - e Sesimbra teve ambas - teve na conquista dos oceanos e nas Descobertas.

Não sei se foi uma barca de Sesimbra na frota de Cabral. Poderia até ter ido, como embarcação de apoio, e não ficar registada nas crónicas, reservadas aos fidalgos. Atente-se no caso da barca de Sesimbra que acompanhou Catarina de Bragança a Inglaterra, em 1662, e que só acidentalmente ficou na história por ter vencido uma regata ao rei inglês, Carlos II.

Mas os historiadores admitem que as incursões dos pescadores e comerciantes tenham antecipado algumas das viagens e descobertas que, posteriormente, viriam a ficar registadas para a história, apenas quando repetidas por embarcações oficiais e comandadas por fidalgos.

Hoje é impossível fazer prova dessas pré-descobertas, embora muitas das incongruências e hiatos da história oficial se possam completar com as navegações do povo miúdo. Mas é possível fazer a prova que Alexandre Holstein e os seus camaradas acabam de realizar: mostrando que uma modesta barca de pesca pode fazer a viagem, e que há gente disposta a fazê-lo, sem outro objectivo ou ganho que não seja esse: fazer lembrar, render homenagem aos antepassados, reconquistar o orgulho de ser capaz.

Compreenderão os sesimbrenses a importância desta viagem? Desejo e espero que sim.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada