ll

terça-feira, março 21, 2006

Azedas


Azedas da Mata
Bombeiros, Jacob,
seiva que renova
o tempo que passa
e o tempo não morre

Elixir amargo
poção infantil
impulso febril de
escorregar no barro
balouçar nos ramos

Caracóis boianos
nas manhãs de chuva
ilusões e planos
de que nada muda
no devir dos anos

Azedas da Mata,
mistério, substância,
acidez amarga
que cura e que trata
desgostos de infância.

3 Comentários:

Às 22/3/06 , Blogger António Cagica Rapaz disse...

Noutro tempo, as azedas mitigavam a sede da rapaziada que jogava a bola. E servia ainda para retocar as biqueiras esfoladas.

Modernamente, a outra Mata desperta azedas controvérsias...

 
Às 22/3/06 , Blogger J.A. disse...

Na minha infância, a Mata, a Mata de Sesimbra, era o pequeno bosque entre a vila e o campo de futebol. Hoje parece pequena, mas nessa altura era um mundo de aventuras. Era também um viveiro natural de azedas, pela Primavera. Durante os jogos "oficiais" ficava pejada de guardas a tentar impedir a assistência de borlistas, mas nós eramos peixe miúdo que passava facilmente naquelas malhas.

Hoje, de facto, é a outra Mata que anda envolta numa azeda polémica.

 
Às 23/3/06 , Anonymous Urban@ disse...

E lá há sorriso maior que o de uma criança que oferece um ramo enorme de azedas como se fossem as flores mais lindas do mundo??? Para a sua inocência, são.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada