ll

sexta-feira, julho 15, 2005

Apanha de algas




A revista National Geographic de Maio inclui uma reportagem sobre a apanha de algas na costa portuguesa, com texto e fotografias de Luís Quinta:
"Em meados do século passado, “havia tanta alga que, depois de uma maresia, ela dava à costa em grandes quantidades. De tal forma que chegaram a andar cerca de trezentas pessoas nestes areais a apanhar alga”, conta José Fortuna, um apanhador de alga de Sesimbra que hoje vive de memórias. “Quando a maré estava vazia, havia quem as apanhasse nas poças. Contavam-se pelos dedos os homens que então mergulhavam”, relembra.

Trabalho duro, para homens de barba rija, a apanha de algas tem decaído progressivamente. O esforço é hercúleo, o dinheiro vai compensando cada vez menos. Nos areais vazios de Sesimbra, a mera evocação do mergulho nestas águas geladas provoca arrepios. Desde sempre que, em zonas piscatórias como nesta vila a sul de Lisboa, a época da apanha de algas se dispersou entre Junho e finais de Novembro, dependendo da área da costa portuguesa e do desenvolvimento das algas. Em 2004, as zonas actuais de referência da actividade estavam instaladas na costa vicentina e em São Martinho do Porto. Em Sesimbra, as algas demasiado pequenas dos últimos anos não têm justificado a apanha.

A missão é diabolicamente simples: apanhar algas. Todavia, os procedimentos desta actividade exigem coragem, improviso e força física. É por isso que vim a Sesimbra, onde observo estes lobos do mar em acção, espécie em extinção de heróis humanos sem público nem holofotes."
Leia a reportagem no site da National Geographic, onde se podem ver mais fotos de Luís Quinta.

1 Comentários:

Às 15/7/05 , Blogger Luis Villas disse...

Para além de gostar particularmente de Sesimbra onde passei muitas férias quando era miúdo e gostava de ver os Espadartes em exposição sensivelmente em frente do Hotel Espadarte, e onde vou muita vez, delicio-me a ouvir as histórias dos antigos pescadores...
Uma maravilha!

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada