ll

quinta-feira, maio 26, 2005

Os refugiados de Villa Cisneros


Em Agosto de 1932, durante a República Espanhola, um grupo de militares conservadores desencadeou, em Madrid e em Sevilha, um pronunciamento contra o regime republicano, acção que ficou conhecida como a "sanjurjada". Falhado o pronunciamento, 139 dos revoltosos foram deportados para Villa Cisneros, na costa africana (actual Ad Dakhla, no Sahara Ocidental).

Na madrugada de 1 de Janeiro de 1933, os deportados amotinaram-se e 29 deles conseguiram tomar de assalto o barco francês "Aviateur Lebrix", que utilizaram para uma audaciosa fuga que os trouxe até Sesimbra, onde foram bem acolhidos pela população, a 14 de Janeiro. Mantiveram-se em Portugal até que uma amnistia, em 1934, lhes permitiu o regresso a Espanha.

Aquando do seu desembarque, a população de Sesimbra dispensou-lhes "todos os carinhos e afectos," apesar do seu aspecto, ao princípio, ter causado algum receio. Alguns meses depois, a 26 de Maio, estes homens voltaram a Sesimbra para agradecer o modo como tinham sido acolhidos. Sabia-se agora que se tratavam de altas patentes e gente da nobreza espanhola, pelo que foi a vez de ficarem os pexitos altamente sensibilizados. Numa sessão solene que teve lugar no Salão Vila Amália, foram feitos discursos e lida esta poesia do sesimbrense Carlos Ducam:
O povo de Sesimbra, hospitaleiro,
A alma, sempre pronta a fazer bem,
Um dia despertou... Na praia alguém
Soltando um ai!... D'alívio derradeiro

E sem saber ainda o paradeiro,
Aonde a negra sorte os lançar vem,
Presente que este povo apenas tem
Do "bem" o sentimento verdadeiro!

Eis "vós", que o destino, a boa estrela,
Guiou a esta terra acolhedora,
Que toda a gente prende, só ao vê-la...

E hoje se confessa devedora
De gratidão eterna... sem merecê-la,
À vossa gentileza... que penhora!...
Mais tarde, um dos refugiados, o arquitecto Aristides Fernandez Vallespín, enviaria ao jornal O Sesimbrense outro poema sobre o mesmo episódio:
Pueblecito de nascimiento,
bello pueblo de mis amores,
Quando amanece, através del viento
a ti van mis recuerdos y mis dolores.

A ti va la sonata, dulce y temprana
del que atravéz de mares te presentió
y que en la mansedumbre de una mañana,
ante ti, pueblecito, se comovió.

Ya la tarde ha caido con sus tristezas
y en las sombras que envuelven sus ultimos adiós,
¡Pueblecito! te esfumas entre asperezas,
como joya olvidada...! Premio de Dios!
Entre os militares refugiados em Sesimbra, encontrava-se Ricardo Serrador Santés (1877-1943), que fez o discurso de agradecimento na cerimónia da Vila AMália. Veio depois a ter um papel de relevo na Guerra Civil Espanhola (1936-1939), nas hostes franquistas. Depois da guerra foi comandante militar e responsável económico das Ilhas Canárias. Em Tenerife a conhecida "Ponte Serrador", cuja construção iniciou, deve-lhe o nome. Terminou a sua carreira militar no posto de General.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada