ll

quinta-feira, maio 19, 2005

Farol do Cabo Espichel

Clique para ampliar. Crédito:
página de Klaus Huelse

A construção do actual Farol do Cabo Espichel data de 1790. Pouco se sabe do seu equipamento inicial, pelo que a primeira referência pormenorizada consta de um roteiro da nossa costa de 1812, considerando o edifício “muito distincto e separado, elevado 620 pés, que póde avistar-se na distância de 30 milhas”.

Outro relato descreve em 1865: “A luz d’este pharol é fixa e branca produzida por dezesete candieiros de Argant com reflectores parabolicos, distribuidos na respectiva árvore em tres ordens horisontaes, formando um sector illuminado de 260º, com seis candieiros na primeira ordem, cinco na segunda e seis na terceira tendo um alcance de 13 milhas."

Foram montados geradores em 1926 e em 1947 era ali instalado o actual aparelho óptico, aeromarítimo com 300 mm de distância focal. Foi dotado de um transmissor de MF constituindo um radiofarol entre 1948 e 2001. A rede pública de electricidade chegou ao farol em 1980 e o farol foi automatizado em 1989 com a instalação de um novo sinal sonoro e mecanismos redundantes para a rotação e substituição de lâmpadas. Actualmente o farol é guarnecido por três faroleiros. (in Revista da Armada). Mais imagens aqui.

2 Comentários:

Às 19/5/05 , Blogger Luis Villas disse...

Esta foto do Cabo Espichel está magnifica.
Gostava de a colocar no FINISTERRA.

 
Às 19/5/05 , Blogger J.A. disse...

Acho uma boa ideia.
Um abraço.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada