ll

domingo, maio 03, 2009

Sesimbra

Sesimbra
Regata.Regatta.
[ clique para ampliar ]

23 Comentários:

Às 3/5/09 , Anonymous Anónimo disse...

Água muito fria.

 
Às 3/5/09 , Blogger buik disse...

LXI Regata Wintermantel
a Associação Naval de Lisboa, com a colaboração do Clube Naval de Sesimbra?

 
Às 3/5/09 , Blogger mili disse...

Que imagens lindas! e o mar ? que cor!

 
Às 3/5/09 , Anonymous Anónimo disse...

Bela Sesimbra

 
Às 3/5/09 , Blogger Don'Ana disse...

Àgua fria mas tudo lindo*

 
Às 3/5/09 , Anonymous Anónimo disse...

Tem mais fotos???

 
Às 4/5/09 , Blogger J.A.Aldeia disse...

Sim, tenho mais fotos da regata, mas ter publicado duas já foi um caso pouco frequente.

 
Às 4/5/09 , Anonymous Anónimo disse...

Bom dia, seria um grande abuso pedir-lhe as fotos em que apareçam barcos azuis?? São para uso pessoal, e explico-lhe porquê... porque é raro o dono do barco ver a sua fotografia... Cumprimentos

CMP

 
Às 4/5/09 , Blogger Liliana disse...

beautiful pictures - imagens lindas
todas dias, obrigado !

 
Às 4/5/09 , Blogger J.A.Aldeia disse...

se me indicar um endereço de correio electrónico para joaldeia@gmail.com posso enviar-lhe algumas fotos.

 
Às 5/5/09 , Blogger ATM disse...

As imagens são excelentes.

Mas o mais notável, é o magnífico campo de regata que Sesimbra é, e é uma pena que a nossa baía não seja mais dinamizada para que aqui ocorram, em permanência e inscritos nos calendários dos Clubes e Associações Navais e Náuticos, eventos desportivos no âmbito da vela de cruzeiro, quer amadora quer mais profissionalizada, que não só dão um colorido especial à baía, como “despejam”, em cada evento, centenas de tripulantes que ocupam hotéis, restaurantes e comércio local.

Sei do que falo, sou bicampeão nacional da classe de IMS e várias vezes ganhei esta mesma regata e muitas vezes naveguei em competição nestas águas.

Sesimbra é um campo de regatas muito difícil, é o local indicado para regatas técnicas, quer com frota, quer no “match race” – um barco contra outro barco –, no sistema roda e bota fora.

Apesar das suas águas calmas, os ventos em Sesimbra, por causa do relevo que a circunda, é muito irregular e dá aquilo a que chamamos “saltos de vento”, que podem chegar a mais de 40º graus em escasso segundos, o que coloca uma embarcação que vai em primeiro lugar, lá bem para trás, naquela mareação.

Porém, no minuto seguinte, o vento volta a rondar e aquela embarcação que caiu em desgraça, se tiver unhas para aquilo, recupera o lugar cimeiro que tinha. Mas nada é garantido …

O campo de regatas em Sesimbra é duro porque obriga a que a tripulação esteja em permanente alerta e afine a embarcação, a todo o momento ao salto de vento e reaja, no segundo, para proceder às manobras acertadas para manter a posição que tem ou atacar quem for mais molenga, mais distraído ou mais “tosco”.

Mas como se isso não bastasse, o vento tem aclarações localizadas porque bateu no Castelo e ganhou velocidade frente ao “Bote de Ouro”, enquanto o resto da baía não tem vento, ou porque bateu no cabeço do Monte dos Vendavais e acelerou na Ponta do Molhe do Novo, deixando as outras embarcações sem a mesma potência e andamento para segurar as suas posições ou então permitindo um ataque a alguém e que, em 30 segundos, nos colocam à sua frente ou não.

Definitivamente cerveja e uma noite de copos não são o ingrediente que levam as tripulações a ganhar em Sesimbra. Ao contrário de Cascais, Lagos e Vila Moura, com ventos mais regulares, Sesimbra não perdoa aos “ressacados” da noite anterior. As tripulações têm que ter dedos e cabeça bem aclareada.

Acresce que a baía de Sesimbra, o campo de regatas de Sesimbra, sendo em concha, permite que as embarcações venham bem junto à terra e manobrem dentro da baía para rondar as bóias do percurso, o que permite constituir-se como um anfiteatro privilegiado para se assistir de terra a tudo o que se passa no mar.

Mais, com algum engenho, é possível, através de altifalantes em terra ou da própria rádio, haver um locutor que pode descrever o que se passa no mar: quem vai à frente, quem cobriu quem, quem se adiantou, quem perdeu posição. Sesimbra é o único campo de regata que eu conheço em Portugal – e corri em todos – onde a população pode assistir a uma regata como se estivesse no campo da bola.
Ao Clube Naval inscrever Sesimbra no circuito das regatas técnicas, que depois estamos cá para ajudar.

PS – Regata Técnica:
No geral quando vimos a Sesimbra ou dela partimos é porque Sesimbra é ponto de chegada ou de partida no contexto de uma regata que nos trás ou leva de/para Lisboa ou Algarves (por exemplo na Volta a Portugal).

As regatas técnicas são feitas no local e os percursos são efectuados entre duas ou três bóias com umas quantas voltas que a elas se têm que dar. Ou seja, a frota não sai do local onde está e isso dá cor à baia durante umas boas horas, ao invés de uma largada, que vai rondar a bóia de bolina – todas as regatas arrancam à bolina, contra o vento –, e depois desaparecem no horizonte.

ATM

 
Às 5/5/09 , Blogger CMP disse...

Caro ATM,

é muito bom (ouvir) ler sobre as potencialidades do campo de regata de Sesimbra... eu próprio, enquanto velejador, falo nisso há anos a fio... Colaborei enquanto responsável pela Vela de Cruzeiro no Clube Naval de Sesimbra durante 2 anos... no decurso desse tempo consegui trazer para a Baía, fora das regatas do calendário (Wintermantel e Burberry) mais 3 regatas, com um total de 33 barcos por ano, portanto 66 barcos em 2 anos... Trouxe também ao CNS a oportunidade de serem o Clube organizador do Swedish Match Cup. Mas as condições adversas proporcionadas pela direcção e secretaria do CNS, levaram à minha demissão do cargo, e ao afastamento de Sesimbra do Plotter (carta náutica electrónica) da maior parte dos velejadores de Lisboa... Pena é que por aquelas águas só se aposte a sério na pesca desportiva.

Lamentações à parte, este foi um excelente Fim de Semana de Vela... o vento soprou de Leste com 12 a 15 kts, sempre certinho dentro da baía, ao contrário das nortadas a que já nos habituou Sesimbra.

No final da regata de Sábado, houve um convivio bastante interessante, seguido de uma entrega de prémios.

Quem viu da vila adorou a cor dada pelos barcos às águas de Sesimbra.

Por mim vou a todas as que organizem por estas latitudes...

 
Às 5/5/09 , Anonymous Anónimo disse...

Não sou velejador, mas, de facto, foi bonito ver o espectáculo proporcionado pelos veleiros.

 
Às 5/5/09 , Blogger Swt disse...

Selecção de imagens bem alegres e com um não sei quê de bom gosto!!!

 
Às 5/5/09 , Anonymous Anónimo disse...

Mas as condições adversas proporcionadas pela direcção e secretaria do CNS, levaram à minha demissão do cargo, e ao afastamento de Sesimbra do Plotter (carta náutica electrónica) da maior parte dos velejadores de Lisboa... Pena é que por aquelas águas só se aposte a sério na pesca desportiva.

 
Às 6/5/09 , Blogger ATM disse...

Caro CMP

Não conheço os detalhes nem as razões que o levaram a enfrentar esses “mares” de proa e a ter que “caturrar” com essas “vagas” que o impediram de levar por diante as suas ideias no seio do Clube Naval.

Louvo-o pelo que conseguiu e sei que, infelizmente, neste mundo da náutica as coisas não são fáceis … nem imagina o que não foi para levar a frota da marinha de recreio à Expo de Sevilha (cerca de 120 veleiros), onde não perdi a sanidade mental e não me tornei num absoluto, resoluto e arrasante homicida, por um triz…

Mas depois foi coisa linda ver chegar a Chipiona 120 veleiros Portugueses e o subir do Guadalquivir dos mesmo veleiros, durante 12 horas, até chegar a Sevilha.

Por muitas “chatices” que as coisas dêem, a obra feita supera tudo…. Por isso, companheiro velejador, ponha-se à coca e quando puder, regresse ao seu trabalho de formiguinha para transformar a Baía de Sesimbra no mais extraordinário campo de regatas.

Estive a ver as fotos com atenção. Excelente a perna de bolina, barquitos bem trimados, nenhuma valuma a bater, nenhumas rugas nas velas, genoas um no limite, como convêm e o efeito de Venturi a ser respeitado e cuidado.

Só a segunda embarcação, com amuras a bombordo vai mais aperreada, ainda que é a que tem a tripulação mais bem distribuída na borda. Se tivesse folgado um pouquinho mais a grande e a genoa teria tirado melhor partido da linha de água e feito menos arrastamento de leme, como se vê na espuma branca à sua popa.

Depois na segunda foto, mareação de popa – spizada -, as condições são ideias, perfeitas. Mar chão, vento constante. Uma beleza.

Nunca deixaria a minha tripulação distribuir-se assim como vão na embarcação que está à frente: Três tronchos sentados na praia de proa a afundar a mesma e a retirar andamento. O trimer do Spi vai a dormir e o sócio do piano também. Os punhos da alanta e da escota estão desnivelados

Se a embarcação numero dois entrar mais à bolina, vai para cima deste tanso – que deve ter tido sorte na pernada da bolina antes de rondar a bóia e por isso vai à frente -, rasa-lhe a popa quase até tirar a tinta, desventa-o com a sombra das suas velas, abre em cima dele a mareação pela alheta de bombordo do tanso e come-o por ali, dando-lhe um tchau do tamanho da Lua.

O número dois leva a grande bem trimada, mas o spi mete nojo. Aquelas rugas são inaceitáveis… ainda que seja dos três barcos aquele que leva mais vento no terço superior da vela balão. Mas no 7/8 é difícil saber se têm maior rendimento de enchimento de vela do que aqueles que envergam o spi até ao topo do mastro (eternas discussões). Por mim, quanto mais área vélica melhor.

O terceiro barco, azul, tem a vela grande muito tesa, com rugas na testa e o Boom Jack não está folgado, assim como a adriça da grande que está muito caçada. Para perceber a afinação do seu spi teria que ver uma foto da sua valuma e se a orelhinha estava ou não a bater, mas aparentemente e o spi está bem trimado. É inaceitável a rodillha em que se encontra a genoa, já deveria estar presa com os elásticos à balaustrada e pronta para subir no final desta mareação. Mas não. Só um proa parece preocupado, o resto da tripulação está parada, paradinha…. Acho que se a embarcação escura galgar as que vão à frente na foto, isso se deverá à maior linha de água que lhe dará mais andamento.

Se o barco do meio orçar mais, como parece estar a fazer, papa tudo e vai chegar-se à frente.

Pelo que leu, compreenderá caro CMP que nunca corri pelos ratings, mas sempre por passar quem estava à minha frente. Adoro ventos limpos … você sabe o que isto quer dizer … e adoro dar lições de alfabetização … leiam à minha popa o nome do meu barco …

Nota: Se você for o Skipper, caro CMP, a lata de cerveja a bordo para si é um “must” porque é o melhor verificador de afinação de velas que há.

A gente bebe, levanta a cabeça para tragar o gole do líquido amargo, mas bommmm, e é nessa altura que vê, ao olhar para o topo do mastro, o nojo da afinação das nossas velas….aí dá duas ou três broncas valentes aos “gajos” do poço e do piano e expressa com o maior arrozeado e conjunto de palavrões e insultos de que for capaz que, ao invés de ter velas içadas e trimadas, tem outro sim, uns bacalhaus imundos pendurados e … bacalhau você só aceita no prato, cozido, com grão, batatas e grelos de nabo, regados com azeite, umas gotas de vinagre, umas lâminas de alho e uma pitada de pimenta, com um polvilhado de salsa e que para ter bacalhau … tinha ficado em casa.

Resulta às mil maravilhas …até à sua próxima lata de cerveja.

Boas navegações e um abraço
ATM

 
Às 6/5/09 , Anonymous Anónimo disse...

Caro J.Aldeia, onde está o arquivo de Abril de 2009?
Gostaria de o consultar e não sei como encontrá-lo.
Cumprimentos de um admirador deste blogue.

 
Às 6/5/09 , Blogger J.A.Aldeia disse...

Já coloquei os links para os arquivos de Abril e Maio. Obrigado.

 
Às 6/5/09 , Blogger CMP disse...

Caro J.A.Aldeia,

Muito Obrigado pelas fotos que me enviou... O Post Scriptum aparece em 3 delas.

Caro ATM,

Após um relato destes, só posso pensar em arranjar novas formas de trazer regatas para Sesimbra. Assim, sim... Quanto à função da lata de cerveja, concordo em absoluto, mas o problema é que os encantos da Sesimbra nocturna levam a que grande parte das tripulações esteja com uma cabeça do tamanho de um spi no dia anterior... pelo que se substitui a cevada por àgua com gás ou uma cola qualquer...
Já os impropérios que se dirigem aos "macacos do poço", são totalmente justificados, se isso os fizer uma tripulação competente, se bem que à proa também se faça sentir o ruído do Skipper...

SN

 
Às 6/5/09 , Blogger J.A.Aldeia disse...

Essa expressão dos "macacos do poço" fez-me recordar uma outra que se dizia no Tejo, nos anos 50, gritada da margem para o pessoal das fragatas: "o macaco vai ao leme!"

 
Às 6/5/09 , Blogger CMP disse...

Pois... hoje em dia, essa expressão, só pode mesmo vir dos "infelizes" que ficam em terra! Porque também sem os macacos do poço o barquito anda muito devagarinho...

 
Às 7/5/09 , Anonymous L C Pinto disse...

Estas imagens lindas originaram comentários diliciosos, principalmente entre "ATM" e "CMP",demonstrando muito conhecimento.
Na minha modesta opinião o blogue do João está de parabéns!

 
Às 10/5/09 , Blogger a_admiradora disse...

Que maravilha de fotos, parabéns João Aldeia

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada