ll

sábado, fevereiro 14, 2009

Sesimbra
Duas memórias da mesma geração: vivenda na rua Monteiro (actual rua João da Luz) e Mini.A house and a car with the same age.
[ clique para ampliar ]

12 Comentários:

Às 16/2/09 , Blogger a_admiradora disse...

olá João
São duas imagens com idades muito diferentes, quanda aquela casa apareceu as camiontas do covas tinham largado os burros há pouco tempo. Ora os minis são da geração de 70... os minis são muito mais novos

 
Às 16/2/09 , Blogger J.A.Aldeia disse...

     Não sei qual a data da vivenda, mas o Mini foi produzido desde 1959 e é, sem dúvida, um ícone e uma memória dos anos 60. O Mini Cooper é de 61.
     A empresa Covas & Filhos já no início dos anos 30 fazia transporte de passageiros em "auto-cars", ora a vivenda não pode datar desse tempo. O terreno daquela fiada de vivendas foi vendido pela Câmara, creio que no final dos anos 50 ou início dos anos 60 — mas procurarei confirmar.
     E agradeço o seu comentário.

 
Às 17/2/09 , Anonymous Anónimo disse...

A garagem desta vivenda servia de escola.
A Dª Beatriz Palmela era a professora, ensinou a minha mãe e mais tarde o meu irmão, eu era miúda e acompanhava-o na escola.
Lembro-me do Inácio também lá andar.
Mais tarde o Inácio e o meu irmão fizeram equipa nas regatas de aiolas. Amizades antigas.
A vivenda era guardada por um cão (boxer)grande inimigo dos gatos.

 
Às 17/2/09 , Blogger a_admiradora disse...

Quando me referi que os minis eram da geração de 70, 70 em sesimbra. penso que o primeiro a chegar a sesimbra era de um amigo do Luis Cachão (Pedro Ribeiro) que se espetou na policia em frente do Angelos.
Não sei exactamente quando os meus avos compraram e construiram aquela casa, mas sei que foi antes da minha irmã mais velha nascer e isso foi em 1950
Mas de qualquer maneira a foto está muito bonita, a mim deixa me triste

 
Às 17/2/09 , Blogger J.A.Aldeia disse...

Hum... Boa memória!
Isso faz de facto sentido.
Obrigado pelas achegas.

 
Às 17/2/09 , Blogger cieldequimper disse...

Oh, my first car!

 
Às 17/2/09 , Blogger a_admiradora disse...

o cão chamava se Tapó um boxer, mas a vivenda da garagem é a outra ao lado o nº28 da rua joão da luz, no tempo da escola era rua monteiro 14

 
Às 18/2/09 , Anonymous Anónimo disse...

Aquela moradia foi construída pelo velho lobo do mar, Justino das barracas de banhos da doca, que, mais tarde, a vendeu (por 48 contos) à D. Beatriz Palmela que morava ao lado.
Esta casa do velho Justino ficava no nº 12 da rua Monteiro e lá morou, desde 1952, a família de António Cagica Rapaz.
A D. Beartriz tinha um cão chamado Ralph, suponho,pois pronunciavam Rofe.
Imagino quanto custará a quem ali morou tantos anos ver a casa a ser demolida.
O mesmo se aplica ao saudoso colégio do Costa Marques, uns metros mais acima.
Só não nos destroem a memória. Por enquanto...

 
Às 18/2/09 , Blogger a_admiradora disse...

Olá anonimo
Esse cão da D. Beatriz não era um boxer, era um coquer spniel, detestava o carteiro e quando a D. Beatriz se aborrecia com os alunos parece que o rolf (o coqquer) tambem. Sei que a D. Beatriz mandou fazer a vivenda do lado o nº 14 da rua Monteiro e no nº 12 lembro me de viver ~lá uma Senhora chamada Amalia.
É bom recordar estes tempos

 
Às 18/2/09 , Anonymous Anónimo disse...

Amália é o nome da mãe do António Cagica Rapaz.

 
Às 19/2/09 , Anonymous Anónimo disse...

Este carro costuma estar estar estacionado no aparcamento para viaturas de "Deficientes" nesta rua. O dinheiro da multa não é meu, assim como a respectiva carta de condução de quem lá o estaciona, só o que é meu é a tristeza de ver a falta de respeito por quem necessita do lugar por falta de mobilidade. Deus queira que nunca necessite de verdadeiramente estacionar num desses lugares !!

 
Às 19/2/09 , Anonymous Anónimo disse...

Que má.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada