ll

sábado, fevereiro 02, 2008

fotografia alojada em www.flickr.com


fotografia alojada em www.flickr.com
[ blog©Sesimbra - clique para ampliar ]
Desfile de Carnaval - bloco da Tripa Mijona.Carnival parade: group «Pissing Tripe» (see context).

9 Comentários:

Às 3/2/08 , Blogger Rambling Round disse...

Quite colorful and looks like a lot of fun.

 
Às 3/2/08 , Blogger J.A.Aldeia disse...

rambling round: this was a small parade of just one feminine "block", named "Pissing Trip". Sunday and tuesday there will be parades of 5 samba schools and 3 "blocks", plus individual masks. I hope it doesn't rain!

Este foi um pequeno desfile com apenas um bloco. Domingo e terça terá lugar o grande desfile com 5 escolas de samba e 3 blocos, para além de máscaras diversas. Oxalá não chova!

 
Às 3/2/08 , Anonymous Anónimo disse...

Encurralaram as crianças no estádio do GDS e cancelaram o desfile de domingo,estão a destruir o carnaval de Sesimbra.

 
Às 3/2/08 , Anonymous artolas disse...

Carnaval despido em Fevereiro é o mesmo que marcar a travessia da baía a nado em Dezembro.
Fiasco,claro!

Carnaval brasileiro em Sesimbra? Vai lá vai, até a pele é de galinha!!

 
Às 3/2/08 , Blogger J.A.Aldeia disse...

O desfile de hoje, Domingo, foi cancelado devido ao mau tempo. Foi uma decisão justificada, e não é nada que não tenha já acontecido noutros locias, e também não tem nada a ver com o facto de ser ou não ser um Carnaval brasileiro. Compreendo que haja quem não goste deste tipo de Carnaval, está no seu direito, mas também há quem goste e trabalhe muito para desfilar. Foi uma coisa que nasceu espontâneamente e que continua mobilizar muitas pessoas — mais do que as formas tradicionais do nosso Carnaval. Mas esta modalidade de Carnaval não impede a tradicional, por isso, quem gostar da outra, está à vontade. Amigo não empata amigo.

Este Carnaval das escolas de samba e blocos carnavalescos é essencialmente uma forma de convívio e socialização, e isso tem muito valor; é isso que mobiliza os participantes, e não interesses financeiros. O facto de ser influenciado pelo Brasil não tem qualquer problema: os povos sempre se influenciaram através das suas manifestações culturais. É normal. Ninguém vai deixar de ser português por participar num Carnaval de influência brasileira.

 
Às 4/2/08 , Anonymous Anónimo disse...

O que é triste é que hoje, já ninguém se lembra como esta coisa toda do Carnaval “tipo carioca” começou.
Começou porque um grupo de pândegos, de amigos, de gente divertida decidiu vestir umas camisolas às riscas e umas calças brancas, depois de fazerem os seus próprios instrumentos, decidirem reunir no Peixoto’s bar para um copo final e concentrar-se frente à farmácia Lopes, partir dali à desfilada pelas ruas de Sesimbra, num gozo infernal ao som de surdos, tarolas, agogos, tamboretes, recos, repeniques e pandeiretas, durante 3 noites e quatro dias, chamando-se a si mesmo “escola de samba”.
O impacte nos bares, tabernas, clubes, agremiações e no fígado de cada um, foi enorme. Éramos uma escola de samba – pura piada – escola folgazona, isso sim, era o que éramos.
Só que nos anos subsequentes foi-se levando a coisa cada vez mais longe (sempre na base do gozo). Apareceram as miúdas organizadas na inesquecível escola “As Malvadas”, meias despidas, ousadas, malandrecas, cheias de sede tal como a rapaziada e estando-se nas tintas para o frio: era mesmo rua acima e rua abaixo.
Depois, depois aquilo bateu no olho de alguém, de uma TV e de uma revista ou jornal.
Gente de fora viu o furo e as escolinhas de samba organizadas começaram a aparecer um pouco por todo o lado e em cada terrinha. Caramba, uns surdos e umas tarolas, com umas mocitas a abanar as “bunditas” seriam o maná das territas para chegarem ao mapa da notoriedade.
Hoje Sesimbra, tal como o resto do País tem também o seu Carnaval tipo Rio de Janeiro, apesar do frio do caraças, mas foi aqui que a coisa começou, não foi uma caricatura e se ele aparenta isso é porque não pode perder o balanço daquilo que começou. Verdade, muito se desvirtuou, mas caramba, pusemos, melhor, Sesimbra pôs o pessoal deste País a fingir de brasileiros e de brasileiras cheios de frio, sem saberem porque é que andam sob a mira reprovadora do tal Cláudio Ramos…mas nós (Sesimbrense) que sabemos como as coisas aconteceram, deveríamos rir baixinho com um gozo do caraças, porque sabemos que foi da noite dos copos, da boa música, da camaradagem, da boémia, dos amigos que surgiu este “nosso” Carnaval que o resto de Portugal imita.
É isto uma glória? Não, mas dá gozo

 
Às 4/2/08 , Blogger J.A.Aldeia disse...

Caro anónimo: concordo inteiramente com o que escreveu. Na essência do Carnaval, independentemente da forma que assuma, estão questões muito fundamentais como o convívio, a camaradagem, a música, a poesia, o gozo, a brincadeira, o quebrar de regras, a libertação de uma criatividade que a sociedade habitualmente condena. Haverá sempre quem não compreenda isto, porque olha esta celebração do exterior e lhe parece estranha — e, em consequência, procura "normalizá-la", ou simplesmente a condena. Mas não tem importância: acabarão por contribuir, como estereótipos da sociedade dita "séria", para o sucesso do próximo Carnaval.

 
Às 4/2/08 , Anonymous Anónimo disse...

Tripa Cagueira e Tripa Mijona são imagem de marca do bom gosto deste carnaval de Sesimbra.

 
Às 4/2/08 , Anonymous Anónimo disse...

Apoiado tripas dessas são uma vergonha para sesimbra.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Aguarelas de Turner|  O amor pelas coisas belas |  Angola em Fotos  Aldrabas e fechaduras| Amigos da Dorna Meca| Amigos de Peniche| André Benjamim| Ao meu lado| Arrábida| (flora) Arrábida| (notícias) Arrastão| @tlanti§| Atlântico Azul| Atitude 180| Badamalos| Banda da SMS|  Barcos do Norte | B. dos Navios e do Mar| Blasfémias| Blue Moon I|  Boa Noite, Oh Mestre! | Canoa da Picada|  Carlos Sargedas |  Caminhos da Memória |  Catharsis |  Caxinas... de Lugar a freguesia  | Cetóbriga| Clube Leitura e Escrita| Coelho sem Toca| Cova Gala|  Crónicas de 1 jornalista | De Rerum Natura|  Desporto Saudável | Dias com Árvores| *** Dona Anita ***| Do Portugal Profundo| El mar és el camí| Espaço das Aguncheiras| Estórias de Alhos Vedros|  Estrada do Alicerce | Expresso da Linha|  Filosofia Extravagante | Finisterra| Flaming Nora| Grão de Areia| Gritos Mudos| Homes de Pedra en Barcos de Pau| Imagem e Palavra| Imagens com água| Imenso, para sempre, sem fim| O Insurgente| J. C. Nero| José Luis Espada Feio|  Jumento  Lagoa de Albufeira| Mar Adentro Ventosga| Magra Carta| Marítimo| Mil e uma coisas| Milhas Náuticas| Molino 42| My Littke Pink World| Nas Asas de um Anjo| Navegar é preciso|  Navios à Vista |  Nazaré | Neca| Nitinha| Noites 100 alcool| Nós-Sela| Nubosidade variabel| O Calhandro de Sesimbra|  Orçadela | Página dos Concursos| Pedras no Sapato|  Pedro Mendes | Pelo sonho é que vamos| Pescador| Pexito do Campo|  A Pipoca mais Doce | Ponto de encontro| Portugal dos Pequeninos|  Praia dos Moinhos |  Quartinete | Reflexus| Rui Cunha Photography| Rui Viana Racing| Rumo ao Brasil|  Ruy Ventura | Sandra Carvalho| Sesimbra arqueológica|  Sesimbra Jobs |  Sesimbra Jovem |  Sesimbra, três Freguesias, um Concelho| Se Zimbra|  Simplicidade | Singradura da relinga| Skim Brothers| Sonhar de pés presos à cama|  Tiago Ezequiel |  Tiago Pinhal |  Trans-ferir | Una mirada a la Ria de Vigo|          Varam'ess'aiola |  Ventinhos |


Canoa da Picada